Rei do Marrocos ordena vistoria em mesquitas históricas

O rei Mohammed VI do Marrocos ordenou neste sábado a especialistas que vistoriem as condições de segurança das mesquitas históricas do país. A determinação do monarca vem à tona um dia depois de o desabamento de um minarete da mesquita de Bab Berdieyinne, no norte marroquino, ter matado 41 pessoas, informa a agência estatal de notícias.

AE-AP, Agencia Estado

20 de fevereiro de 2010 | 14h33

O minarete desabou sobre uma multidão que estava na mesquita, situada na cidade histórica de Meknes, para as tradicionais orações islâmicas de sexta-feira. Além das 41 pessoas mortas, 75 ficaram feridas, 17 das quais continuam hospitalizadas, segundo a agência de notícias Map.

Um dia depois da tragédia, um policial com um cão farejador percorria o local, mas as operações de busca pareciam quase finalizadas. O desabamento do minarete afetou quase três quartos da estrutura da mesquita, deixando para trás pilhas de entulho e areia.

Hoje, jornalistas presentes no local tiveram autorização para entrar na parte do templo que não desabou. Era possível observar dezenas de tênis e outros objetos pessoais deixados para trás por pessoas que tentavam escapar do desabamento.

Meknes, uma das quatro antigas capitais imperiais marroquinas, é considerada patrimônio da humanidade pela Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco). A cidade situa-se 120 quilômetros a leste de Rabat, a capital do país. Logo depois do desabamento, o rei Mohammed VI ordenou a reconstrução do templo.

Autoridades locais atribuíram o desabamento do minarete às fortes chuvas que atingiram recentemente a região, segundo comunicado divulgado pelo Ministério de Interior do Marrocos.

Tudo o que sabemos sobre:
Marrocostragédiamesquita

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.