Rei exilado do Afeganistão diz que quer ajudar povo

O rei exilado do Afeganistão poderia participar da formação de um possível governo de transição que viesse a suceder o Taleban, disse hoje um enviado das Nações Unidas depois de uma reunião com o ex-monarca. "Ele me disse que desejava ajudar o povo afegão", afirmou Francesc Vendrell, representante pessoal do chefe da ONU para o Afeganistão.Segundo Vendrell, o ex-rei Mohammad Zahir Shah, de 86 anos, não tem como ambição retornar a seu país como monarca, mas "poderia desempenhar um importante papel no futuro do Afeganistão". Zahir e Vendrell reuniram-se durante uma hora em uma luxuosa vila localizada no extremo norte de Roma. O rei planeja também conversar com uma delegação da aliança oposta ao Taleban em seu país, disse o assessor Ysuf Nuristani. A delegação era esperada para hoje, mas sua chegada foi adiada e não está claro quando poderia ser realizado o encontro.A crise com os terrorista gerou uma maior atenção sobre Mohamad, que vive em um tranqüilo exílio em Roma desde 1973, quando foi derrotado em um golpe militar articulado pelo então ex-primeiro-ministro Daud Khan, simpático à União Soviética. Se o Taleban cair, o Afeganistão "necessitará rapidamente de um governo sólido encabeçado por alguém em que os afegãos possam confiar. E o rei é a pessoa adequada", disse Nasser Zia, embaixador do governo afegão no exílio, em uma entrevista publicada hoje pelo jornal romano Il Messaggero.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.