Rei Gyanendra entrega o poder no Nepal

Após uma manifestação que reuniu mais de 100.000 pessoas desafiando a política de "atirar para matar" do governo nepalês, o rei Gyanendra anunciou nesta sexta-feira pela televisão que transfere "ao povo" o poder que exercia de forma absoluta até agora. Gyanendra, que assumiu o poder executivo em 1º de fevereiro de 2005, pediu à aliança de sete partidos opositores que lhe apresentem o nome de um candidato a primeiro-ministro, embora não tenha determinado uma data para futuras eleições, como reivindicam as forças da oposição. O rei, que disse que sua dinastia possuía um "compromisso destemido para com a monarquia constitucional e democracia multipartidária", pediu aos sete principais partidos políticos que nomeiem um primeiro-ministro o mais rápido possível. De acordo com fontes opositoras, 15 manifestantes morreram nos distúrbios nas mais de duas semanas de protestos no Nepal, quatro deles ontem. Nos últimos 16 dias, houve grandes protestos nas ruas do Nepal e uma greve geral foi convocada pela oposição pedindo a restauração da democracia, 14 meses depois de o monarca assumir o poder absoluto após destituir o governo. Matéria atualizada às 11h23

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.