Rei Mohamed VI nomeia novo governo no Marrocos

Ministérios como o da Justiça e de Exteriores ficarão a cargo de partidos pela primeira vez

Efe

03 de janeiro de 2012 | 14h41

RABAT - O rei Mohamed VI do Marrocos nomeou nesta terça-feira, 3, o novo governo presidido pelo islamita Abdelilah Benkirane, no qual os principais ministérios chamados "de soberania" ficam a cargo pela primeira vez para os partidos políticos.

 

Veja também:

especialMAPA: A revolta que abalou o Oriente Médio
tabela ESPECIAL: Um ano de Primavera Árabe
especialESPECIAL: Veja a retrospectiva da Internacional

 

Conforme a agência oficial MAP, as pastas das Relações Exteriores, Justiça e do Interior - até agora nomeadas pelo monarca - passam para as mãos do islamita Partido Justiça e Desenvolvimento (PJD) e do Movimento Popular (MP).

 

À frente do Ministério das Relações Exteriores ficará Saad Eddine Othmani e a de Justiça por Mustafa Ramid, que pertencem ao islamita PJD, vencedor nas eleições de 25 de novembro, enquanto a do Interior será presidido por Mohand Laenser, do MP.

 

O novo governo é composto por 30 ministros, dos quais cinco são independentes, 11 pertencem ao PJD, seis ao partido nacionalista Istiqlal (PI), quatro ao MP e outros quatro ao ex-comunista Partido do Progresso e o Socialismo (PPS).

 

Além disso, o responsável de Assuntos Islâmicos seguirá sendo Ahmed Toufiq (independente), a Secretaria-geral do governo segue nas mãos de Driss Dahak (independente), enquanto Abdul Latif é o vice-ministro da Direção Geral de Defesa.

 

O Ministério da Economia e Finanças ficará com Nizar Baraka do PI, enquanto o de Agricultura e Pesca com Aziz Ajanuch, quem deixou seu partido para continuar ocupando pasta. O novo governo terá somente uma mulher, Basima Hakaui, do PJD, nomeada ministra da Solidariedade da Mulher e da Família. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.