Alexey Nikolsky/AFP
Alexey Nikolsky/AFP

Rei saudita visita a Rússia e países firmam aliança energética

Para monarca, visita mostrou "visões coincidentes" entre Kremlin e Arábia Saudita em uma série de questões regionais e geopolíticas

Associated Press, O Estado de S.Paulo

06 Outubro 2017 | 02h17

MOSCOU -  A primeira visita de um monarca saudita a Moscou evidenciou os esforços da Rússia para mostrar o aumento de sua influência no Oriente Médio, nesta quinta-feira, 5, um dia depois de o presidente russo, Vladimir Putin, dizer que "tudo muda", sobre a aliança de longa data entre Estados Unidos e Arábia Saudita. 

O Kremlin preparou uma generosa recepção para o rei Salman bin Abdulaziz Al Saud, que foi televisionada pela TV estatal. Os dois maiores produtores de petróleo do mundo, firmaram uma aliança emergente de energia. Antes de os líderes realizarem um encontro a portas fechadas, Putin disse que a reunião daria "um novo e poderoso impulso aos desenvolvimento de relações bilaterais" entre Moscou e Riad. 

Autoridades russas disseram que a reunião serviu como um fórum para atrair novos investimentos dos sauditas. O Fundo de Investimento Direto russo anunciou que o Fundo de Investimento Público da Arábia Saudita, e a Saudi Aramco - a petroleira estatal do país árabe - formariam um veículo para atrair investimentos para o setor de serviços de energia da Rússia.

+++ Por cooperação financeira, Maduro se reunirá com Putin no Kremlin

O fundo russo afirmou que representantes dos dois países concordaram em investir mais de US$ 1 bilhão em projetos russos em vários setores, incluindo o petroquímico, o de energia, logística, transporte e infraestrutura.

O rei Salman disse que a visita mostrou "visões coincidentes" entre a Rússia e a Arábia Saudita em uma série de questões regionais e geopolíticas. "Nós nos esforçamos para continuar a cooperação positiva entre os nossos países para alcançar a estabilidade no mundo dos mercados de petróleo, que contribui com o crescimento da economia global", disse.

Apesar do surgimento de uma parceria energética, os dois países estão em lados opostos na guerra civil da Síria. Riad quer a queda do presidente sírio Bashar al Assad, enquanto a Rússia apoia o regime.

+++ Maduro consegue renegociar dívida com a Rússia

As autoridades ofereceram poucos detalhes sobre a discussão dos dois líderes sobre a crise no Oriente Médio, mas sugeriram que o diálogo tem sido construtivo.

O Kremlin também está cortejando a Arábia Saudita como um possível comprador de armas. A reunião de hoje também incluiu um acordo para que a exportadora de armas russa Rosoboronexport produzisse armas e munições na Arábia Saudita. Fonte: Associated Press. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.