Rei volta à Arábia Saudita após problemas de saúde e promete benefícios

Em meio a distúrbios no mundo árabe, Abdullah anuncia mais fundos à educação, habitação e previdência social.

BBC Brasil, BBC

23 de fevereiro de 2011 | 11h54

Rei foi recebido com festa por cidadãos e pela mídia do país

O rei Abdullah, da Arábia Saudita, anunciou que aumentará os benefícios oferecidos à população do país, palco de algumas manifestações em meio às turbulências políticas no mundo árabe.

Abdullah voltou à Riad nesta quarta-feira, após três meses no exterior para um tratamento médico, e prometeu aumentar os fundos destinados à habitação, a estudos no exterior e à previdência social, informou a TV estatal saudita.

As medidas são vistas como uma forma de evitar o contágio dos distúrbios sociais que já derrubaram os presidentes da Tunísia e do Egito e que estão provocando protestos no vizinho Bahrein. A Arábia Saudita registrou protestos em menor escala.

O rei, de 86 anos, passou por cirurgias para corrigir um problema em uma vértebra e uma hérnia de disco. Ele foi recebido com festa em seu retorno para Riad, e havia filas de cidadãos esperando para cumprimentá-lo.

Abdullah havia viajado aos EUA e ao Marrocos em 22 de novembro e, desde então, turbulências têm sido registradas em diversos países árabes e muçulmanos.

Analistas apontam que, como outros dois possíveis substitutos de Abdullah têm idade avançada e também tiveram problemas de saúde recentemente, há um grande esforço das autoridades do país em mostrar que o rei está bem fisicamente. O jornal Arab News disse que ele "é o único pilar de estabilidade regional atualmente".

Também nesta quarta-feira, era esperada em Riad a visita do rei de Bahrein, Hamad, cujo regime foi criticado internacionalmente por reprimir com violência as manifestações que se espalham pelo país.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.