Reid teria comprado calçado-bomba na Holanda

O britânico Richard Reid, acusado de tentar cometer um atentado com um "calçado-bomba" a bordo de um avião da America Airlines, teria encontrado o local para comprar o explosivo acondicionado em seu tênis navegando pela Internet, informou hoje o jornal londrino The Guardian. Segundo ele teria dito a agentes do FBI em interrogatório, a pentrita (PETN), um derivado do potente explosivo plástico C-4, foi adquirida por US$ 1,5 mil em Amsterdã, na Holanda. O porta-voz dos serviços secretos holandeses, Vincent van Steen, disse considerar "muito provável" que Reid tenha mesmo estado recentemente naquela cidade holandesa. "Estamos realizando ampla investigações", acrescentou. Um funcionário do governo americano - que pediu para não ser identificado - disse que a bomba só não explodiu "porque sua espoleta falhou". Reid estava no vôo 63 da América Airlines que ia de Paris a Miami no sábado passado. Ele foi descoberto pela tripulação quando tentava por fogo num pavio atado ao tênis e à bomba com um palito de fósforo. Foi controlado depois de muita luta por tripulantes e passageiros. Hoje, ele compareceu novamente ao tribunal, quando foi oficialmente notificado das acusações: agressão, intimidação e imposição de obstáculos ao trabalho da tripulação. Ele não terá direito a fiança. Acusações mais graves são aguardadas. Segundo The Guardian, Reid recebeu treinamentos na mesmo campo da Al-Qaeda (rede terrorista de Osama bin Laden), onde esteve o franco-marroquino Zacarias Moussaoui, preso nos Estados Unidos sob acusação de envolvimento nos atentados de 11 de setembro, que deixaram quase 3 mil mortos. Os pais de Reid declaram-se surpresos. A mãe dele, Lesley Hughes, divulgou uma declaração, dizendo que não tinha conhecimento de nada. "Como mãe, estou chocada", disse ela procurando não fazer comentários. O pai, Robin Reid, disse acreditar que o filho, "determinado como é", iria mesmo explodir o avião. Mas acrescentou que Reid não faria mal a ninguém a menos que tivesse sofrido uma "lavagem cerebral".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.