Adrian DENNIS / AFP
Adrian DENNIS / AFP

Reino Unido adota quarentena para viajantes recém-chegados do exterior

A partir desta segunda-feira, 8, residentes e turistas que chegarem ao país vindos do exterior terão que permanecer 14 dias em casa

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2020 | 09h23

LONDRES - Qualquer pessoa que chegue ao Reino Unido vinda do exterior terá que respeitar, a partir desta segunda-feira, 8, uma quarentena de 14 dias. A medida, que desagrada o setor aéreo e do turismo, foi imposta pelo Ministério da Saúde do país para tentar diminuir o número de infecções do novo coronavírus.

A quarentena, que será revisada pelo governo britânico a cada três semanas, envolve todas as chegadas por terra, mar e ar, tanto para os viajantes que moram no Reino Unido como para aqueles que não residem no país.

"Introduzimos esta quarentena porque, como o número de infecções diminui (no Reino Unido), a proporção de infecções procedentes do exterior aumenta", explicou o ministro da Saúde, Matt Hancock, ao canal Sky News. E completou: "Espero realmente que as pessoas possam embarcar nos aviões, sair de férias no verão (hemisfério norte), mas temos que começar por adotar uma perspectiva prudente."

O governo aplicará controles aleatórios e quem violar a medida será multado em 1  mil libras, o equivalente a 6.277 reais. Pessoas da área de transportes, profissionais da saúde, trabalhadores rurais e pessoas procedentes da Irlanda estarão isentas.

Entre os passageiros que chegavam nesta segunda-feira ao aeroporto londrino de Heathrow, as opiniões eram divergentes.

"É uma boa ideia, outros países estão fazendo", disse Sandy Banks, de 45 anos, que retornou da Jamaica com os três filhos. Ela disse que todos permanecerão em casa durante duas semanas.

Um advogado holandês que mora em Londres e retornou de uma viagem de uma semana a Amsterdã chamou a medida de "louca". "Há mais pessoas doentes e morrendo no Reino Unido, a Europa que provavelmente deveria se proteger", disse. O Reino Unido, um dos países mais afetados pela pandemia, registrou até o momento 40.542 mortes por coronavírus e 287 mil casos de contágio.

"Acredito que teríamos realmente que continuar baixando de forma significativa o nível (de contágios) neste país antes que a quarentena comece a ser uma medida eficaz", declarou recentemente à BBC o professor Robert Dingwall, membro de um subgrupo do comitê científico que aconselha o governo sobre a pandemia.

O líder da oposição, Keir Starmer, criticou a medida. "Há semanas outros países adotaram a quarentena e nós não. Agora, quando todos estão suspendendo, nós a aplicamos", disse, antes de afirmar que preferia a adoção de testes de covid-19 nos aeroportos.

O próprio conselheiro científico do governo, Patrick Vallance, admitiu que a decisão de impor a quarentena agora é mais política que científica. Outros países, como a França, anunciaram que farão o mesmo com os viajantes procedentes do Reino Unido como medida de reciprocidade.

Os profissionais do transporte aéreo do turismo, muito afetados pela pandemia, se opõem à medida que freia a retomada de suas atividades. As companhias aéreas British Airways, EasyJet e Ryanair lançaram um comunicado conjunto criticando a medida, a qual classificam como "desproporcional e injusta"./ AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.