Jacob King/Pool via REUTERS
Jacob King/Pool via REUTERS

Reino Unido começa vacinação contra covid um mês antes dos países da UE

Britânicos começam a ser imunizados hoje com 800 mil doses desenvolvidas pela Pfizer-BioNTech, que estarão disponíveis em pelo menos 50 hospitais em todo o país; idosa de 90 anos foi a primeira a ser vacinada

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de dezembro de 2020 | 03h00
Atualizado 09 de dezembro de 2020 | 21h32

LONDRES - O Reino Unido iniciou nesta terça-feira, 8, seu cronograma de vacinação em massa contra a covid-19, um mês à frente do restante da Europa, que começa a imunizar sua população em janeiro. A primeira vacina foi aplicada em uma idosa de 90 anos, Margaret Keenan, que se tornou a primeira pessoa no mundo a receber a vacina da Pfizer-BioNTech fora de um ensaio clínico.

"Eu me sinto privilegiada por ser a primeira pessoa vacinada contra a covid-19", disse Margaret, que recebeu a injeção em um hospital de Coventry, no centro da Inglaterra, às 6h31min (3h31min de Brasília), uma semana antes de ela completar 91 anos. "É o melhor presente de aniversário antecipado que eu poderia desejar, porque significa que posso finalmente planejar passar um tempo com minha família e amigos no ano-novo depois de estar sozinha na maior parte do ano."

Por acaso o segundo vacinado foi William Shakespeare, um homem de 81 anos que se declarou "encantado" e cujas imagens emocionaram visivelmente o Ministro da Saúde, Matt Hancock, ao vivo na televisão: "o ano tem sido tão difícil para tantos pessoas ", disse ele.

Shakespeare recebeu a vacina da Pfizer pela enfermeira May Parsons, que chegou à Grã-Bretanha das Filipinas há 17 anos. A enfermeira foi aplaudida depois de aplicar as primeiras injeções e mais tarde disse ao Good Morning Britain que estava "orgulhosa de contribuir para impedir a pandemia".

O início da vacinação foi classificado pelo ministro da Saúde, Matt Hancock, como "um momento histórico". De acordo com o calendário proposto pelo Reino Unido, 800 mil doses estarão disponíveis em cerca de 50 hospitais já na primeira semana de imunização.

As primeiras doses da vacina fabricada pela Pfizer-BioNTech chegaram ao Reino Unido na noite de quinta-feira, com uma remessa embalada em gelo seco, viajando em caminhões da fábrica da empresa na Bélgica pelo Eurotúnel. A prioridade será imunizar idosos com mais de 80 anos e funcionários de casas de repouso. Autoridades sanitárias britânicas sabem que o mundo estará de olho no Reino Unido, o primeiro país ocidental a enfrentar o desafio de vacinar milhões de pessoas.

Os reguladores britânicos, ao concederem a aprovação de emergência para a vacina da Pfizer, disseram que ela não poderia ser movida mais do que quatro vezes e as bandejas com 975 doses não poderiam ser divididas – o que inviabiliza levar a vacina para os centros de idosos, geralmente pequenos. 

“Não é como tirar uma embalagem com seis iogurtes da geladeira e quebrá-la na bancada da cozinha, colocar uma na bolsa, levá-la para o trabalho e armazená-la na geladeira do escritório”, disse Chris Hopson, chefe de operações do NHS, o sistema de saúde do Reino Unido.

Assim, enquanto descobre a melhor forma de vacinar os idosos, o primeiro passo do NHS foi enviar as vacinas para os 50 hospitais que atenderão os futuros centros de imunização. No ano que vem, o governo planeja expandir a rede, abrindo locais de vacinação em massa em centros de conferências, arenas esportivas e escolas. “A distribuição será uma maratona, não um sprint”, disse Stephen Powis, diretor do NHS.

Até agora, o Reino Unido encomendou 40 milhões de doses da vacina Pfizer-BioNTech, o suficiente para vacinar 20 milhões de pessoas, já que cada uma requer duas injeções, com três semanas de intervalo. O ministro dos Negócios, Alok Sharma, disse que o país receberá “alguns milhões” de doses da Pfizer ainda em dezembro. 

“O que sempre dissemos é que a grande parte do programa de vacinação ocorrerá no próximo ano”, disse. As 800 mil doses iniciais não cobrirão os 3,2 milhões de britânicos com mais de 80 anos nem as 300 mil pessoas que trabalham como cuidadores em lares de idosos.

Ontem, o Palácio de Buckingham anunciou que a rainha Elizabeth II, de 94 anos, e seu marido, o príncipe Philip, de 99, aguardarão na fila para receber uma dose. Ao Sunday Times, fontes ligadas à família real disseram que a decisão de tomar ou não a vacina é de caráter “pessoal da rainha”, mas que ela “avisará” assim que for imunizada.

Largada

Em vários lugares do mundo, a vacinação em massa contra covid está começando, ou prestes a começar. A Rússia iniciou sua campanha no sábado. Os EUA se preparam para começar ainda em dezembro. Centenas de milhares de pessoas já foram vacinadas na China e milhares nos Emirados Árabes.

A Agência de Medicamentos da União Europeia se reunirá no dia 29, quando provavelmente aprovará o uso da vacina da Pfizer – que começará a ser distribuída na passagem do ano, o que fará com que os países do bloco comecem a vacinação em massa um mês após os britânicos. 

A corrida pela vacina foi um empreendimento global. Quando os cientistas chineses compartilharam o genoma do vírus, em 10 de janeiro, pesquisadores de todo o mundo começaram a trabalhar na imunização. Em março, os primeiros ensaios clínicos em humanos foram lançados pela Moderna, nos EUA, e pela Sinovac, na China. 

Mais fabricantes de vacinas se juntaram ao esforço, inclusive na Índia, Tailândia e Cuba. Hoje, existem 13 vacinas em testes humanos finais de fase 3 e um total de 58 vacinas sendo testadas em pessoas. Algumas outras dezenas estão em testes pré-clínicos. 

As vacinas variam na maneira que estimulam a resposta imune do corpo. Moderna e Pfizer usam uma tecnologia nova, usando segmentos de RNA, material genético do coronavírus, para treinar o sistema imune a combater o patógeno. A vacina Sputnik usa adenovírus para entrar nos genes. As chinesas Sinovac e Sinopharm contêm coronavírus mortos. / NYT e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.