Reino Unido critica Coreia do Norte por romper com AIEA

Pyongyang exigiu a retirada dos inspetores da agência de energia que vigiavam a atividade de reator nuclear

Efe,

15 de abril de 2009 | 06h00

O Reino Unido qualificou nesta quarta-feira, 15, como "totalmente injustificada" a decisão da Coreia do Norte de suspender a cooperação com a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e de ordenar a saída de inspetores internacionais.

 

Veja também:

linkCoreia do Norte diz a ONU que irá produzir bomba de plutônio

linkHillary: Coreia do Norte deu 'resposta desnecessária'

linkChina mantém discurso conciliador após ameaça norte-coreana

linkGilles Lapouge: Coreia do Norte põe em risco sonho de Obama

video Roberto Godoy analisa a tensão entre Coreia e EUA

lista Conheça o arsenal de mísseis norte-coreano

 

Assim respondeu o Ministério de Assuntos Exteriores britânico ao anúncio feito na terça-feira, 14, pelo Governo da Coreia do Norte de interromper a cooperação com a AIEA e de exigir a retirada "o mais rápido possível" dos inspetores que vigiam a atividade do reator de Yongbyon.

 

Um porta-voz da Chancelaria disse que foi "proporcional" a condenação esta semana do Conselho de Segurança da ONU à decisão norte-coreana de lançar um foguete de longo alcance no último dia 5.

 

O porta-voz pediu a Pyongyang que não suspenda as conversas para a questão nuclear que mantém com as duas Coreias, EUA, China, Rússia e Japão.

 

"O lançamento transgride a resolução 1718 do Conselho de Segurança. Há apenas um caminho para a Coreia do Norte se deseja ocupar um lugar como membro da comunidade internacional: cumprir suas obrigações internacionais e, em particular, cooperar plenamente com a AIEA para pôr fim a seu programa nuclear", afirmou o porta-voz.

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do NorteAIEAONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.