EFE/ Facundo Arrizabalaga
EFE/ Facundo Arrizabalaga

Reino Unido dá ultimato para Rússia explicar envenenamento de ex-espião

May disse que envolvimento do Kremlin no ataque a Sergei Skripal é altamente provável e, caso não haja resposta crível do governo russo, Londres considerará ataque um 'uso de força dentro do território britânico'

O Estado de S.Paulo

12 Março 2018 | 14h34
Atualizado 12 Março 2018 | 18h22

LONDRES - A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, disse nesta segunda-feira, 12, no Parlamento que o ex-espião Sergei Skripal e sua filha Yulia foram envenenados com um agente nervoso destinado a fins militares desenvolvido pela Rússia. Segundo ela, é altamente provável o envolvimento do Kremlin no ataque. 

+ Polícia britânica acredita que ex-espião russo foi envenenado em casa

May afirmou ainda que o embaixador russo em Londres foi convocado para explicar por que o agente nervoso foi encontrado na casa de Skripal em Salisbury.

Ainda de acordo com a premiê, o Reino Unido concluirá que o ataque implica no uso de força dentro do território britânico caso não haja resposta crível do governo russo. 

+ May promete resposta apropriada em envenenamento de ex-espião russo

"Há apenas duas explicações plausíveis sobre o que aconteceu em Salisbury em 4 de março: ou foi um ato direto do Estado russo contra o nosso país, ou o governo russo perdeu o controle desse agente neurotóxico e catastroficamente prejudicial", disse May à Câmara dos Comuns.

A chefe de Estado ressaltou que a arma usada contra Skriptal, um ex-coronel russo de 66 anos que foi condenado em seu país por alta traição, e sua filha "é um agente neurotóxico de uso militar de um tipo desenvolvido pela Rússia", conhecido como "Novichok".

A primeira-ministra citou o histórico da Rússia "em cometer assassinatos organizados pelo Estado" e o fato de ver "alguns desertores como alvos legítimos" para apontar a culpa muito provável do país presidido por Vladimir Putin.

O secretário do Exterior Boris Johnsson pediu a divulgação completa de seus programas de armas químicas para a Organização para a Proibição de Armas Químicas (Opaq) e deu um prazo de um dia para que Moscou cumprisse esse ultimato.

A Rússia reagiu às declarações de May. "Isto é um espetáculo circense no Parlamento britânico", afirmou a porta-voz da chancelaria russa, Maria Zajarova, segundo várias agências de notícias./AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.