Siphiwe Sibeko/REUTERS
Siphiwe Sibeko/REUTERS

Reino Unido e Israel barram voos da África do Sul após descoberta de nova variante

Cepa B.1.1.529 tem alto poder de mutação e preocupa cientistas

Redação, O Estado de S.Paulo

25 de novembro de 2021 | 20h50
Atualizado 27 de novembro de 2021 | 04h34

Reino Unido e Israel irão proibir a entrada de viajantes vindos da África do Sul, anunciaram os governos dos dois países nesta quinta-feira, 25, em uma tentativa de afastar uma nova variante do coronavírus, altamente contagiosa e com forte poder de mutação, identificada no país.

Voos da África do Sul e de outros cinco países da África Austral serão proibidos a partir do meio-dia (horário local, 9h no Brasil) desta sexta-feira, 26. Qualquer pessoa recém-chegada de um desses países será convidada a fazer um teste de coronavírus, afirmou o governo.

O secretário de Saúde do Reino Unido, Sajid Javid, disse que há preocupação de que a nova variante possa ser “mais transmissível '' que a dominante cepa Delta, e que “as vacinas que temos atualmente podem ser menos eficazes” contra ela.

Nesta sexta, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, escreveu em sua conta no Twitter que o órgão executivo irá propor, "em coordenação próxima com Estados membros", uma interrupção emergencial das viagens aéreas da região sul do continente africano. O motivo, segundo ela,  é a preocupação com variante da covid-19. Veja:

Em Israel, o premiê Naftali Bennet anunciou que a África do Sul foi adicionada à lista de países “vermelhos”. A medida impede que israelenses viagem de e para esses países. 

Lesoto, Botswana, Zimbabwe, Moçambique, Namíbia e Eswatini também foram adicionados à lista "vermelha" de Israel. Qualquer pessoa que venha de qualquer um desses países e não seja cidadão ou residente israelense terá a entrada proibida.

Os viajantes que retornarem desses países serão colocados em quarentena obrigatória de sete dias em uma unidade estatal, independentemente do status de vacinação, e serão liberados somente após dois testes de PCR negativos. Os passageiros que se recusarem a fazer o teste terão que ficar em quarentena por 14 dias.

A nova variante preocupa cientistas devido ao seu alto número de mutações e rápida propagação. Ela vem se espalhando rapidamente entre os jovens em Gauteng, a província mais populosa do país, anunciou o ministro da Saúde, Joe Phaahla, na quinta-feira.

"Nos últimos quatro ou cinco dias, houve um aumento mais exponencial", disse ele, acrescentando que a nova variante parece estar impulsionando o aumento de casos. Cientistas da África do Sul estão trabalhando para determinar qual porcentagem dos novos casos foi causada pela nova variante.

Atualmente identificada como B.1.1.529, a nova variante também foi encontrada em Botswana e Hong Kong em viajantes da África do Sul, disse Phaahla.

O grupo técnico de trabalho da Organização Mundial da Saúde deve se reunir na sexta-feira para avaliar a nova variante e pode decidir se dá ou não um nome do alfabeto grego à ela.

A nova variante tem uma “constelação” de novas mutações, disse Túlio de Oliveira, da Rede de Vigilância Genômica da África do Sul, que acompanhou a disseminação da variante Delta no país.

“Esta nova variante tem muito, muito mais mutações, incluindo mais de 30 na proteína spike que afeta a transmissibilidade”, afirmou. “Podemos ver que a variante está se espalhando potencialmente muito rápido. Esperamos começar a ver pressão no sistema de saúde nos próximos dias e semanas.''

Oliveira disse que uma equipa de cientistas de sete universidades sul-africanas estuda a variante. Eles têm 100 genomas inteiros e esperam ter muitos mais nos próximos dias, disse.

Após um período de transmissão relativamente baixa em que a África do Sul registrou pouco mais de 200 novos casos confirmados por dia, na semana passada, os novos casos diários aumentaram rapidamente para mais de 1.200 na quarta-feira. Na quinta-feira, eles saltaram para 2.465.

Omã e Tailândia

Assim como os países citados anteriores,  Omã e Tailândia também estão tomando medidas para tentar afastar a nova variante do coronavírus, a B.1.1.529. 

Sendo assim, a partir deste domingo, 28, o país do Oriente Médio, passará a proibir a entrada de pessoas que venham da África do Sul, Namíbia, Botswana, Zimbábue, Moçambique, Lesoto e Eswatini. 

Além das regiões africanas citadas, o país da Ásia irá vetar a vinda de passageiros do Malawi a partir de dezembro. O anúncio foi dado neste sábado, 27, através das autoridades de saúde da local. /Com AP, AE, REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.