Reino Unido eleva alerta de terrorismo contra republicanos irlandeses

Ministério do Interior afirma que medida foi tomada para 'manter população vigilante'

Associated Press

24 de setembro de 2010 | 14h04

LONDRES - O Reino Unido elevou o alerta contra terrorismo de dissidentes irlandeses nesta sexta-feira, 24, dizendo que a ameaça de um atentado contra o país é "uma grande possibilidade".

 

O Ministério do Interior elevou o alerta de "moderado" para "substancial" - o ponto médio na escala de ameaça terrorista britânica. A ameaça de terrorismo internacional, que é medida em uma escala independente, permanece classificada como "severa", o que quer dizer que é "bastante provável" que o país sofra um atentado.

 

O governo nunca antes havia anunciado o nível de ameaça dos grupos irlandeses. A secretária do Interior, Theresa May, disse que o anúncio foi feito "nos interesses da transparência e para encorajar a população a se manter vigilante".

 

Na semana passada, o chefe do MI5, agência de espionagem britânica, alertou que os dissidentes que rejeitam o processo de paz com a Irlanda do Norte poderiam atacar cidades britânicas pelas primeira vez desde 2001.

 

Jonathan Evans, o chefe da agência, disse que dissidentes do IRA, o Exército Republicano Irlandês, que lutam pela separação da Irlanda do Norte do Reino Unido e a unificação daquele país com a Irlanda, têm acesso a armas, incluindo explosivos, e conseguem financiar seu arsenal com roubos e tráfico de drogas.

 

Mais cedo neste mês, o jornal The Guardian publicou uma reportagem na qual o IRA Real, uma dissidência dos republicanos, prometia novos ataques, principalmente sobre os bancos britânicos.

 

A última vez que dissidentes republicanos atingiram a Inglaterra ocorreu em agosto de 2001, quando um carro explodiu perto de um shopping e feriu 11 pessoas.

 

Segundo Evans, os republicanos já tentaram 30 ataques na Irlanda do Norte neste ano, incluindo o uso de um carro-bomba contra a base do MI5 na região que não deixou feridos. No ano passado, 11 atentados foram tentados.

Mais conteúdo sobre:
IRAIrlandaReino Unidoterrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.