Daniell Leal-Olivas/ AFP
Daniell Leal-Olivas/ AFP

Reino Unido endurece restrições e ameaça prender viajantes que omitirem passagem pelo Brasil

Governo britânico anunciou medidas para evitar a transmissão de novas variantes do coronavírus; Além do Brasil, mais 30 país estão na lista

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de fevereiro de 2021 | 08h30

O Reino Unido endureceu as restrições contra a covid-19, e anunciou, nesta terça-feira, 9, que poderá prender viajantes que omitirem passagem pelo Brasil e mais 30 países considerados de risco. A medida visa conter a infecção por novas variantes do coronavírus.

Britânicos e residentes que tiverem passado por um dos 33 países de uma lista vermelha nos 10 dias anteriores à viagem terão que fazer quarentena em um hotel. Quem omitir informações pode ser preso e pagar multa. Os passageiros terão que pagar quase R$ 13 mil pela quarentena obrigatória em hotel.

"Qualquer pessoa que mentir sobre seu trajeto no formulário de imigração, e tentar omitir que esteve em um país da 'lista vermelha' nos 10 dias anteriores à chegada, vai enfrentar uma sentença de prisão de até 10 anos", disse o ministro da Saúde britânico, Matt Hancock, ao Parlamento.

O Reino Unido é o país mais atingido pela pandemia na Europa, e já registrou mais de 113 mil mortes por complicações da covid-19. O governo britânico já havia anunciado, em meados de janeiro, a proibição de viagens para passageiros vindos do Brasil, Portugal e de toda a América do Sul.

A proibição de viagens não vale para cidadãos britânicos que queiram voltar para a casa ou para estrangeiros com permissão de residência no Reino Unido, no entanto todos os viajantes que passarem por esses países deverão fazer uma quarentena obrigatória de dez dias.

Hancock disse que essa quarentena deverá ser cumprida em um dos hotéis designados pelo governo. Cada passageiro deverá arcar com todos os custos da hospedagem, definidos em 1.750 libras (cerca de R$ 13 mil).

Além disso, qualquer viajante que chegar ao país terá que se submeter a dois testes do tipo RT-PCR (do cotonete) para a detecção da covid-19 - os testes, que custam cerca de 120 libras cada um (R$ 890) serão pagos pelos próprios viajantes.

Uma decisão anterior do governo britânico já previa a obrigatoriedade da apresentação de testes negativos, feitos com até 72h de antecedência, para viajantes vindos do exterior que desembarcassem na Inglaterra ou na Escócia - incluindo cidadãos do país.

Para garantir que essas normas sejam cumpridas, Hancock anunciou que qualquer pessoa que se recusar a fazer o teste será multado em até 2 mil libras (R$ 14 mil). Já os cidadãos ou residentes que não respeitarem a quarentena poderão ter que pagar até 10 mil libras (R$ 75 mil)./ AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.