Gary Grimshaw/Balliwick Express via AP
Gary Grimshaw/Balliwick Express via AP

Pescadores franceses encerram protesto e navios de guerra britânicos deixam Canal da Mancha

Pescadores bloquearam porto de Saint Helier em protesto contra condições de pesca impostas após o Brexit; França também enviou navios de patrulha para monitorar a situação

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de maio de 2021 | 09h00
Atualizado 06 de maio de 2021 | 18h02

SAINT HELIER, REINO UNIDO - Cerca de 50 barcos de pesca franceses que bloquearam um porto da Ilha de Jersey, no Canal da Mancha, nesta quinta-feira, 6, para protestar contra as novas regras de acesso às suas águas após o Brexit, começaram a se retirar. Pouco depois, o Reino Unido chamou de volta dois navios de patrulha da Marinha Real que foram deslocados para a região para "monitorar a situação". 

O presidente do Comitê de Pesca da Normandia, Dimitri Rogoff, disse que "a demonstração de força acabou, agora é a política que tem de pegar o bastão". Ele exortou o governo francês a retaliar, se necessário, pelas dificuldades que eles estão enfrentando para obter licenças para pescar em águas territoriais britânicas.

Entre 50 e 60 barcos navegavam desde 7h (hora local, 2h em Brasília) nas proximidades do porto de Saint Helier, enquanto outros estavam a caminho. Em resposta, o governo britânico enviou dois navios de guerra à região, os barcos-patrulha HMS Severn e Tamar, para "supervisionar a situação". Londres afirmou que se tratava de uma "medida estritamente preventiva".

"Como a situação está resolvida por enquanto, os navios de patrulha da Marinha Real estão retornando ao porto no Reino Unido", disse o gabinete do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, em um comunicado.

França e Reino Unido mobilizaram patrulhas nesta quinta-feira na Ilha de Jersey. A França enviou à região, em águas francesas, dois navios menores, o barco-patrulha Athos e a embarcação Themis, para garantir "a segurança da navegação e a salvaguarda da vida humana no mar", segundo as autoridades.

"As manobras britânicas não devem nos impressionar", disse à agência France Presse o secretário de Estado francês para Assuntos Europeus, Clement Beaune.

"Falei com David Frost, o ministro britânico responsável pelas relações com a União Europeia. Nossa vontade não é manter as tensões, mas ter uma aplicação rápida e completa do acordo", disse ele. "Estamos trabalhando incansavelmente nisso com a Comissão Europeia e as autoridades britânicas. Com calma, determinação e firmeza."

Paris e Londres têm uma disputa há várias semanas sobre a pesca. Os pescadores franceses dizem que estão impedidos de pescar em águas britânicas devido às dificuldades para obter licenças.

Além disso, o Reino Unido estabeleceu novas exigências na sexta-feira passada para o acesso aos barcos de pesca franceses às águas territoriais da Ilha de Jersey, a maior do Canal da Mancha.

As medidas criam novas normas de zoneamento para as águas próximas de Jersey: "onde os barcos podem ir ou não", assim como o número de dias que os pescadores podem passar no mar e com quais equipamento", destacou o ministério francês.

Para a França, as novas normas não têm efeito porque o Reino Unido não as notificou à Comissão Europeia e não fazem parte do acordo de pesca negociada no âmbito do Brexit./AFP

Veja o navio HMS Severn, da marinha britânica, em vídeo de janeiro deste ano:

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.