Paul Hackett/Reuters
Paul Hackett/Reuters

Reino Unido não vê 'solução à vista' para caso Assange

Ministro das Relações Exteriores britânico e vice-presidente do Equador se reuniram para discutir impasse

estadão.com.br,

30 de agosto de 2012 | 17h52

LONDRES - O ministro das Relações Exteriores do Reino Unido, William Hague, afirmou nesta quinta-feira, 30, em entrevista à rede BBC 4 em Nova York, que a reunião com o vice-presidente equatoriano, Lenín Moreno, foi bem "amigável", mas voltou a dizer que não vê "uma solução à vista" para o caso do fundador do Wikileaks, Julian Assange. Ambas as autoridades concordaram em buscar uma solução dialogada sobre a situação.

Veja também:

link Impasse põe Assange em limbo jurídico

link OEA aprova resolução apoiando Equador em impasse sobre asilo a Julian Assange

link Grã-Bretanha tem '2 pesos e duas medidas' no caso Assange, diz Correa

Assange já recebeu asilo político do Equador para evitar sua extradição à Suécia, fato que o Reino Unido insiste em não aceitar. O fundador do Wikileaks está refugiado na embaixada desde o dia 19 de junho.

"Não estamos ameaçando invadir a embaixada do Equador. Deixamos clara nossa posição legal aos equatorianos e, desde o começo, destacamos que buscamos uma solução amigável para esse impasse", apontou Hague. Ele disse ter explicado, na quarta-feira, quando ocorreu a reunião, ao vice-presidente equatoriano a posição britânica de que o país possui "a obrigação legal de prender Assange e extraditá-lo à Suécia" e que "não há base legal" para que se possa "fazer outra coisa".

"Acordamos que seguiremos conversando em busca de uma solução", embora, "dada a posição do Equador sobre o que chamam asilo diplomático e nossa posição legal, que é muito clara, esse tipo de solução não está à vista neste momento", completou.

Equador e Reino Unido mantêm um conflito diplomático desde o dia 16 de agosto, quando o país sul-americano outorgou asilo a Assange. Londres rejeita outorgar um salvo-conduto ao fundador do Wikileaks, responsável pela divulgação de milhares de arquivos diplomáticos que puseram em xeque governos de todo o mundo e que, segundo Equador, estaria sendo alvo de uma perseguição política por parte dos Estados Unidos e seus aliados.

Com Efe 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.