Reino Unido nega acordo com Líbia sobre extradição

O Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido tomou uma medida incomum neste domingo, ao negar uma matéria do Sunday Times que informava que diplomatas fizeram um acordo secreto há três anos com a Líbia para que o assassino da policial Yvonne Fletcher não pudesse ser julgado no Reino Unido. Yvonne Fletcher foi morta a tiros em frente à embaixada líbia em Londres, em 1984. O ministério disse que as cartas que o jornal afirma terem sido trocadas pelos governos dos dois países apenas estabeleceram que naquela época não seria possível extraditar um líbio para ser julgado em outro país.

AE, Agencia Estado

13 de setembro de 2009 | 12h19

Isso significaria que um julgamento na Líbia seria a única opção, de acordo com os diplomatas. Um representante do governo britânico disse que ainda espera que as autoridades líbias cooperem com a polícia britânica nas investigações do crime. Este é um assunto particularmente sensível no momento, porque as relações do governo britânico com a Líbia têm sido alvo de grande atenção após a libertação em agosto do líbio Abdel Baset al-Megrahi, preso na Escócia pelo atentado terrorista de Lockerbie. O governo britânico tem sido acusado de fazer concessões em demasia a Muamar Kadafi, em troca de contratos de comércio e petróleo. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
LíbiaReino Unido

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.