Reino Unido ordena que seus cidadãos deixem o Iêmen

Deterioração da segurança no país árabe preocupa autoridades britânicas

estadão.com.br

23 de março de 2011 | 20h46

LONDRES - O Reino Unido ordenou nesta quarta-feira, 23, a retirada imediata de seus cidadãos do Iêmen mediante a deterioração da segurança no país árabe. Nos últimos dias, a tensão aumentou entre os iemenitas, que fazem protestos contra o presidente Ali Abdullah Saleh.

 

Veja também:

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

mais imagens Galeria de fotos: Veja imagens dos protestos na região

 

O Ministério de Exteriores britânico informou por meio de comunicado que seus cidadãos deveriam "deixar imediatamente" o Iêmen, já que o governo encontraria dificuldades em dar assistência consular no caso do aumento da violência no país. O governo afirmou que apenas alguns poucos e essenciais diplomatas permaneceriam na embaixada em Sanaa.

 

Os avisos de que os britânicos deveriam deixar o Iêmen são emitidos há quase duas semanas, mas a chancelaria afirmou que fez o aviso nesta quarta devido "ao aumento da seriedade da situação".

 

Os protestos das últimas semanas levaram o presidente do Iêmen anunciar que deixaria o cargo até janeiro de 2012. O plano, no entanto, foi recusado pela oposição do país. Com o aumento da violência, o governo decretou estado de emergência.

 

Com Reuters e Associated Press

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.