Reino Unido pede ação internacional contra ativos de Mubarak

Um ministro britânico afirmou no domingo que deve haver uma ação internacional para lidar com os ativos internacionais do presidente deposto do Egito, Hosni Mubarak, e de sua família.

TIM CASTLE, REUTERS

13 de fevereiro de 2011 | 11h03

A Agência Britânica de Combate a Fraudes Graves (SFO), que investiga crimes financeiros, lançou uma caçada por dinheiro e ativos vinculados a Mubarak, publicou o Sunday Times, sem citar fontes.

Até agora, apenas a Suíça anunciou um congelamento de ativos que podem pertencer a Mubarak, que deixou o poder na sexta-feira após 30 anos no comando do Egito.

O ministro britânico do Reino Unido, Vince Cable, afirmou que os países precisam trabalhar juntos para identificar os ativos de Mubarak, avaliados em pelo menos milhões de dólares e que são mantidos em locais secretos espalhados pelo mundo.

Perguntado se a Inglaterra seguirá a Suíça no congelamento dos ativos, Cable afirmou à televisão BBC: "Não estou ciente que existam enormes ativos, mas há claramente necessidade de haver uma ação internacional sobre isso."

"Não há sentido em um governo agir sozinho, mas certamente temos que ver isso. Depende também se os recursos dele são ilegais ou se foram ilegalmente obtidos."

A Inglaterra pode congelar qualquer ativo vinculado a Mubarak a pedido da União Europeia ou das Nações Unidas, ou a pedido direto do Egito, disse ele.

O embaixador do Egito em Londres, Hatem Seif el Nasr, disse que ele não tem informações sobre qualquer ativo de Mubarak. "Sinceramente, sobre o dinheiro, eu não tenho absolutamente qualquer conhecimento", disse ele à BBC.

A Suíça também congelou ativos pertencentes ao ex-presidente da Tunísia Zine al-Abidine Ben Ali, que foi retirado do poder por uma revolta popular no mês passado.

Tudo o que sabemos sobre:
EGITOREINOUNIDOMUBARAK*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.