Reino Unido pede diálogo com Irã sobre marinheiros

O Reino Unido pediu conversas diretas nesta terça-feira, 3, com o Irã para resolver o impasse dos 15 britânicos capturados pelos iranianos, após um primeiro contato com o negociador de Teerã. O anúncio foi feito após um diplomata iraniano ser solto em Bagdá, aumentando as esperanças de um possível acordo sobre a questão dos marinheiros britânicos.Horas após o primeiro-ministro do Reino Unido, Tony Blair, afirmar que as "próximas 48 horas serão cruciais" para resolver a questão com agilidade, a secretária de Relações Exteriores britânica, Margaret Beckett, pediu cautela aos que esperavam uma saída rápida para a disputa."Os esforços diplomáticos continuam", disse Beckett, sublinhando que o Reino Unido ainda não teve acesso consular garantido aos cativos. Uma declaração do escritório de Blair, disse que pretende "intensificar contatos com Irã", incluindo o negociador internacional Ali Larijani. "O Reino Unido propõe discussões bilaterais e esperamos por resposta iraniana", disse Blair. "Ambos os lados esperam que este caso seja resolvido o quanto antes", acrescentou.Os 15 marinheiros e fuzileiros navais britânicos foram presos em águas do Golfo Pérsico disputadas pelo Irã e Iraque, no último dia 23, por membros da Guarda Revolucionária iraniana. O Irã alega que os militares invadiram seu território. O Reino Unido, entretanto, garante que seus homens estavam em uma operação de rotina em águas territoriais iraquianas. Além disso, depois de aparentemente se comprometer a adotar um tom mais ameno na guerra de propaganda que trava contra Londres, o governo iraniano voltou a divulgar fotos dos cativos nesta terça-feira. Não houve, entretanto, veiculação de novas "confissões". Nos últimos dias, agências de notícias e canais estatais subordinados à Teerã passaram a publicar cartas e vídeos em que os militares "assumem" que invadiram as águas iranianas. Contato britânicoNigel Sheinwald, conselheiro do primeiro-ministro do Reino Unido, Tony Blair, conversou por telefone Larijani, para saber da situação dos 15 militares britânicos detidos no Irã.Segundo a agência pública iraniana de notícias Irna, que cita "uma fonte bem informada" em Londres, o alto funcionário britânico conversou nesta terça-feira à noite com Larijani.A fonte disse que a conversa aconteceu após o interesse mostrado pelo Irã em resolver "de forma bilateral" o caso da detenção dos 15 militares britânicos e a necessidade de que Londres se comprometa a não voltar a invadir o território iraniano.A mesma fonte, cuja identidade não foi revelada pela agência iraniana, não deu detalhes sobre o conteúdo da conversa entre os dois, mas acrescentou que "a parte britânica deu as boas-vindas às declarações de Larijani sobre a necessidade de resolver o caso de forma bilateral".A agência iraniana indicou que o governo de Londres confirmou a existência desta conversa telefônica, por meio de um comunicado ao qual a Irna teve acesso em Londres."O primeiro-ministro do Reino Unido se comprometeu a resolver o caso pela via diplomática e está esperando a resposta de Teerã após propor um diálogo direto bilateral", diz o comunicado.MinistériosO ministro britânico do Interior, John Reid, disse nesta quarta-feira, 4, que ainda não sabe quando será solucionada a crise com o Irã pela detenção dos militares do Reino Unido, mas confia num desfecho rápido pela via diplomática.Em declarações à rede GMTV, Reid reiterou que Larijani, manteve contatos com as autoridades britânicas, algo qualificado por ele de "bom sinal"."O que todo mundo obviamente quer é uma resolução rápida e segura pela forma diplomática", afirmou o ministro em relação ao caso dos 15 militares britânicos detidos no dia 23 de março em águas do Golfo Pérsico pela força naval iraniana."Entramos em contato com Larijani, e isso é bom. Esperamos que isto possa ser conseguido de forma bilateral para uma solução rápida e segura. Não posso dar um tempo limite a isto. Como o primeiro-ministro (britânico, Tony Blair) já afirmou, os próximos dias são muito importantes", disse o titular de Interior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.