Reino Unido pede que seus cidadãos deixem o Iêmen

Todos os cidadãos britânicos ainda no Iêmen devem deixar o país imediatamente, disse hoje o ministro das Relações Exteriores do Reino Unido, William Hague. Amanhã está previsto um protesto no Iêmen que pode se tornar violento. Uma manifestação na capital, Sanaa, na sexta-feira passada, terminou com dezenas de mortos a tiros por forças leais ao presidente Ali Abdullah Saleh.

AE, Agência Estado

24 de março de 2011 | 11h52

"Eu quero deixar absolutamente claro hoje que todos os cidadãos britânicos ainda no Iêmen devem deixá-lo imediatamente", disse Hague em comunicado ao Parlamento. Segundo ele, as rotas comerciais normais para o país ficariam indisponíveis, caso houvesse mais violência. O Reino Unido retirou temporariamente todos seus funcionários diplomáticos do Iêmen, deixando apenas alguns deles em Sanaa.

Um novo protesto foi convocado por um grupo de partidos que se opõe a Saleh. Mais da metade dos comandantes militares do país e poderosos líderes tribais e religiosos já pedem a renúncia do presidente. Ontem, o governo decretou estado de emergência, suspendendo a Constituição e permitindo que Saleh use as forças de segurança para prender seus oponentes. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
IêmenprotestosReino Unidoalerta

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.