ANDY RAIN / EFE
ANDY RAIN / EFE

Reino Unido prorroga confinamento por ao menos três semanas

País soma cerca de 14 mil mortes e mais de 100 mil pessoas contaminadas

Redação, O Estado de S.Paulo

16 de abril de 2020 | 17h04

LONDRES - O governo britânico prorrogou por ao menos três semanas o confinamento vigente desde 23 de março para frear a propagação do coronavírus, que causou cerca de 14 mil mortes e contagiou mais de 100 mil pessoas no Reino Unido

Apesar da pressão da oposição e da dramática situação econômica, a equipe do governo decidiu manter a medida até que se supere o pico da pandemia, e não flexibilizar o confinamento como já está se avalia no restante da Europa. 

"O governo decidiu que as medidas atuais devem seguir vigentes ao menos durante as próximas três semanas", declarou o ministro das Relações Exteriores, Dominic Raab, que substitui o primeiro-ministro Boris Johnson, que segue em recuperação da covid-19 após deixar o hospital. 

Raab ressaltou a importância de não ocorrer um segundo pico que colapsaria o serviço público de saúde, o NHS, e anularia o sacrifício do que foi feito até o momento. 

Em entrevista à BBC, o ministro da Saúde, Matt Hancock tinha informado ser "muito cedo" para adotar uma flexibilização das regras de confinamento. 

"Há luz no fim do túnel"

"Há luz no fim do túnel e estamos progredindo", disse Raab, que, no entanto, alertou que seria "irresponsável" falar sobre um prazo para sair do confinamento, mencionando apenas uma "flexibilização" das medidas em algumas áreas e de um "reforço" em outras. 

Segundo o jornal The Guardian, as decisões na fase pós-confinamento foram adiadas pela ausência de Johnson. 

O Reino Unido registrou 861 mortes por coronavírus nas últimas 24 horas em hospitais, atingindo nesta quinta-feira um total de 13.729 mortes. 

A isso se somam os mortos nos asilos, que não são contabilizados nos números oficiais divulgados diariamente, tornando o balanço das vítimas fatais da covid-19 maior. 

Nesta quinta-feira, foram registrados 100 mil infectados, de quase 418 mil testes realizados. Criticado pelo número de testes, o governo prometeu chegar aos 100 mil testes por dia até o final do mês, mas ainda está muito longe dessa meta.

Entre os mortos por coronavírus estão 27 funcionários do serviço público de saúde, segundo Hancock. Um caso trágico foi o de uma doente grávida, de 28 anos, cujo bebê sobreviveu. 

Mas apesar do panorama sombrio, há notícias positivas: Aos 99 anos, Tom Moore, um veterano da Segunda Guerra Mundial, arrecadou mais de £13 milhões para o sistema de saúde britânico, e deve cumprir o desafio de caminhar a pé com o seu andador, por 100 vezes nos 25 metros de comprimento do seu jardim, antes de completar 100 anos, no final deste mês. 

"Tom conquistou os corações de todo o país com esse esforço heróico", disse um porta-voz de Johnson, à medida que os pedidos para que Moore receba uma medalha se multiplicam. /AFP

Tudo o que sabemos sobre:
Reino Unido [Europa]coronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.