Reprodução / Arkadiusz Podniesinski
Reprodução / Arkadiusz Podniesinski

Reino Unido será primeiro país europeu a voltar a vender arroz de Fukushima

Segundo dados do Ministério das Relações Exteriores do Japão, 34 nações ainda impõem proibições ou limitações aos produtos fabricados na região onde ocorreu o acidente nuclear de 2011

O Estado de S. Paulo

20 Junho 2016 | 10h29

TÓQUIO - O Reino Unido será o primeiro país da União Europeia (UE) a voltar a comercializar arroz de Fukushima, depois que a região do nordeste do Japão se tornou há cinco anos cenário de uma das piores catástrofes nucleares da história.

A partir de julho o produto estará disponível nas prateleiras de vários comércios de Londres graças à campanha realizada por um grupo de japoneses oriundos de Fukushima e residentes no Reino Unido, e uma cooperativa agrícola local, informou nesta segunda-feira, 20, o jornal Japan Times.

Ambos os lados fecharam acordo de exportação de 1,9 tonelada de uma variedade denominada "Ten no tsubu" ("Grão do céu" em japonês).

Segundo dados do Ministério das Relações Exteriores japonês com relação ao mês de março, 34 países ainda impõem proibições ou limitações de algum tipo aos produtos cultivados na Prefeitura de Fukushima ou de seus arredores por medo de que estejam contaminados.

Desde janeiro, a UE permite importar chás, produtos derivados de gado ou frutas (com exceção do caqui) sem necessidade de que eles tenham certificados que comprovem que superaram com sucesso os controles de radiação.

No entanto, o arroz de Fukushima ainda deve vir acompanhado de um destes documentos que certifique que o grão superou os testes no Japão ou no país de destino para poder entrar no bloco europeu.

A 1,9 tonelada virá certificada da origem quando chegar ao Reino Unido. Depois de Malásia e Cingapura, o país se tornará o terceiro a voltar a importar arroz de Fukushima desde o acidente nuclear em 2011. /EFE

Veja abaixo: Japão relembra 5 anos da tragédia de Fukushima

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.