Andrew Testa/The New York Times
Andrew Testa/The New York Times

Reino Unido tem 'miniboom' imobiliário em razão da pandemia do novo coronavírus

Confinamento levou a um êxodo da capital Londres e elevou as buscas por imóveis em outras áreas; número de acordos de venda é o maior em mais de 10 anos

Redação, O Estado de S.Paulo

17 de agosto de 2020 | 14h49

LONDRES - O Reino Unido registrou em julho um "miniboom imobiliário pós-confinamento", com o maior número de acordos de venda assinado em mais de 10 anos, por um total de 40 bilhões de euros (US$ 48 bilhões), de acordo com o site de anúncios Rightmove.

O resultado foi motivado principalmente por um "êxodo" da capital, que foi traduzido por uma queda dos preços em Londres (-2%) e um aumento em outras áreas, com recordes em sete regiões, sobretudo Devon e Cornualha, sudoeste do país.  

A migração foi motivada pelo auge do teletrabalho provocado pelo confinamento imposto no combate à propagação da pandemia de coronavírus.

O Rightmove destaca que os proprietários ou potenciais compradores buscam mais qualidade de vida, com mais espaço, contra o custo elevado de vida em Londres.

O mercado também foi estimulado por uma moratória sobre o imposto imobiliário para as transações sobre as propriedades de menos de 552 mil euros (US$ 654 mil), anunciada em julho pelo ministro das Finanças, Rishi Sunak, dentro de um pacote de medidas de estímulo econômico. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.