Toby Melville/Reuters
Toby Melville/Reuters

Reino Unido tem recorde diário e registra quase mil mortos pela covid-19

Segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde, o número de casos confirmados da doença avançou em 5.492, totalizando agora 60.733

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de abril de 2020 | 15h52

LONDRES - O Reino Unido registrou um aumento de 938 mortes por conta da covid-19, nesta quarta-feira, 8, subindo para um total de 7.097 vítimas, estabelecendo um novo recorde negativo diário de óbitos pelo segundo dia consecutivo.

Segundo dados divulgados hoje pelo Ministério da Saúde, o número de casos confirmados da doença avançou em 5.492, totalizando agora 60.733, depois de 232.708 pessoas terem sido testadas desde o início da pandemia. 

O próprio primeiro-ministro do país, Boris Johnson, foi infectado pelo coronavírus e está internado na UTI em um hospital em Londres.  

O número diário de mortes aumentou nos últimos dois dias. Após 439 óbitos registrados na segunda-feira, o número subiu ontem para 786.

O número de mortes diárias por conta do novo coronavírus divulgado pelas autoridades britânicas reflete a quantidade de pacientes internados que morreram após testarem positivos até a tarde do dia anterior.

Os responsáveis pelo sistema de saúde alertaram que os números podem não fornecer uma imagem em tempo real da progressão da doença, uma vez que algumas mortes levam vários dias para serem relatadas e incluídas no registro oficial.

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

A assessora científica do Ministério da Defesa britânico, Angela McLean, disse durante entrevista coletiva que, apesar do aumento de mortes e infecções, existem fatores que sugerem que "a disseminação do vírus não está acelerando".

Ela garantiu que a curva de internações por conta da covid-19 começou a cair, o que aumenta o otimismo sobre uma possível desaceleração das infecções. /EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.