ANDY RAIN / EFE
ANDY RAIN / EFE

Reino Unido ultrapassa os mil casos de covid-19 com 260 mortes em 24 horas

País tem agora 1.019 mortes pelo novo coronavírus e se junta ao Irã, Itália, Espanha, China e França, que já tinham passado a marca

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de março de 2020 | 15h06

LONDRES - O Reino Unido superou neste sábado, 28, a marca de mil mortes em decorrência da infecção pelo novo coronavírus, após anúncio de 260 óbitos a mais do que no boletim apresentado ontem pelo Ministério da Saúde do país.

De acordo com as informações apresentadas hoje, o total de vítimas passa a ser de 1.019, se juntando a IrãItália, Espanha, China, e França, que já tinham alcançado - de acordo com dados oficiais - a marca do milhar.

Ao todo, 17.089 mil pessoas testaram positivo no Reino Unido, entre as mais de 120 mil que foram submetidas a avaliação.

Hoje, depois do primeiro-ministro, Boris Johnson, e do ministro da Saúde, Matt Hancock, foi a vez do deputado escocês Alister Jack, que integra o gabinete governamental, anunciar que está infectado pelo novo coronavírus, apresentando sintomas leves.

O premiê britânico garantiu, ao divulgar em vídeo a informação que deu positivo, que permaneceria trabalhando durante o período de isolamento forçado.

Testes em agentes de saúde

Por outro lado, os funcionários do serviço público de saúde (NHS) começaram a ser submetidos a testes em um centro instalado na localidade de Chessington, nos arreadores de Londres, onde acontece anualmente a Feira Mundial de Turismo.

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

O espaço se tornou um hospital temporário, com duas unidades, cada um com capacidade para atender 2 mil pacientes.

O governo britânico decretou na última segunda-feira, 23, o isolamento obrigatório de toda a população, com exceção em casos excepcionais, com risco de multas que podem chegar até 60 libras (R$ 379), além da possibilidade prisão, em caso de desobediência. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.