Frank Augstein/AP
Frank Augstein/AP

Reino Unido vai rever mecanismo de extradição de criminosos 

Mandato de negociação do Brexit, divulgado nesta quinta-feira, encerra o Mandato de Prisão Europeu, que vigora desde 2004

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2020 | 21h13

LONDRES - O governo britânico anunciou nesta quinta-feira, 27, que pretende rever o mecanismo de extradição rápida entre o Reino Unido e a União Europeia. O mandato de negociação do Brexit, divulgado em Londres, encerra o Mandato de Prisão Europeu (EAW, na sigla em inglês), que vigora desde 2004 e substituiu os longos processos de extradição entre os membros da UE.

Analistas e membros das forças de segurança dizem que o encerramento da cooperação pode prejudicar a segurança do Reino Unido. Quando os britânicos deixaram a UE, em 31 de janeiro, Alemanha, Áustria e Eslovênia anunciaram que deixariam de extraditar seus cidadãos às autoridades britânicas. Na prática, o temor é que o país se torne um refúgio para criminosos europeus. 

De 2009 a 2018, segundo dados oficiais, Grã-Bretanha não participará de um esquema europeu para acelerar a extradição de criminosos após sua saída da União Europeia, afirmou o governo em seu mandato para negociações sobre um relacionamento de longo prazo com o bloco.

O mandado de detenção europeu foi introduzido em 2004 e substituiu os longos processos de extradição entre os países da UE. Significa que um mandado emitido pela autoridade judicial de um país da UE para prender uma pessoa e entregá-la à acusação é válido em toda a UE.

Pós-Brexit

O Governo do Reino Unido também informou nesta quinta-feira que considera se retirar das negociações comerciais pós-Brexit no mês de junho, 6 meses antes do prazo pré-estabelecido. De acordo com o governo de Boris Johnson, as tratativas com a União Europeia serão encerradas se não houver avanços que deem uma perspectiva séria de acordo.

A previsão era de que as negociações seguissem até o dezembro, no entanto, Londres espera que pelo menos as linhas gerais de um acordo sejam traçadas até junho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.