Reis e súditos choram a tragédia norueguesa

Milhares de noruegueses se reuniram na catedral de Oslo para homenagear vítimas

Andrei Netto, O Estado de S.Paulo

25 de julho de 2011 | 00h00

OSLO - Em uma atmosfera de profunda comoção, milhares de noruegueses se reuniram dentro e fora da catedral de Oslo para homenagear as vítimas dos atentados. Durante a cerimônia transmitida para todo o país, o rei Harald e a rainha Sônia choraram em público, comovendo o país.

A missa foi ministrada pelo bispo de Oslo, Ole Christian Kvarme, que descreveu a reunião como "o signo do luto e da esperança" dos noruegueses. Autoridades se sucederam em discursos. "Cada uma das vítimas é uma tragédia", disse o primeiro-ministro, Jens Stoltenberg.

Segundo o premiê, vários dos mortos eram seus conhecidos, entre os quais autoridades de seu governo que morreram no atentado em Oslo. Stoltenberg afirmou que os nomes e as fotografias de todas as vítimas serão divulgados em breve. "A amplitude do mal será conhecida", afirmou.

Também ontem, a família real, acompanhada por Stoltenberg, visitou as famílias de vítimas. Do lado de fora da catedral, a dor estava estampada em cada norueguês. "O que me consola é que não se trata de terrorismo islâmico", disse ao Estado Glinneir Hónsuik. "Se fosse, essa tragédia mudaria a forma como os noruegueses veem os estrangeiros."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.