Doug Mills/NYT
Doug Mills/NYT

Rejeição de Trump ao uso de máscaras divide republicanos

Presidente desdenha equipamento e recebe críticas até de aliados; Biden se aproveita e posta foto com proteção

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de maio de 2020 | 05h00

A birra de Donald Trump com o uso de máscaras é antiga. Mas ganhou um ar de guerra declarada na segunda-feira, 25, quando o presidente zombou de seu adversário democrata, Joe Biden, que apareceu com o rosto coberto durante uma cerimônia em homenagem aos americanos mortos em combate. Na quarta-feira, 27, cresceu o número de republicanos que publicamente se opõem à implicância de Trump com o método de proteção mais usado contra a disseminação do vírus, identificado por ele como um sinal de fraqueza pessoal.

“Usar uma cobertura no rosto não é uma questão política. É ajudar outras pessoas”, disse o governador de Ohio, o republicano Mike DeWine, repetindo comentários feito por Doug Burgum, governador de Dakota do Norte, também republicano. Na quarta, o líder do partido no Senado, Mitch McConnell, aliado do presidente, postou uma foto sua no Instagram com uma máscara. No início do mês, o deputado Fred Upton e o senador John Cornyn fizeram a mesma coisa, pedindo que outros adotassem a prática.

Segundo pesquisas, as ironias de Trump aumentaram a divisão dentro do Partido Republicano – pois a maioria dos democratas e dos eleitores independentes adotou o uso. Uma sondagem realizada neste mês pela Kaiser Family Foundation indicou que 89% dos democratas e 72% dos independentes relatam usar máscara toda vez ou na maioria das vezes quando saem de casa, em comparação com 58% dos republicanos.

Outras três pesquisas recentes apontaram que entre 64% e 72% dos americanos dizem que Trump também deveria usar uma máscara. Entre 38% e 48% dos republicanos dizem que o presidente deveria fazê-lo. “Essa é uma questão que divide os republicanos. E mais ninguém”, disse Nick Gourevitch, estrategista democrata, que escreveu um memorando recomendando o uso da máscara.

A preocupação de Trump com a máscara animou a campanha de Biden, que viu uma chance de mostrar o contraste entre os dois candidatos. Na terça-feira, quando questionado pela CNN se a máscara passava uma imagem de força ou de fraqueza, Biden deu uma terceira opção, dizendo que projetava liderança. “Presidentes devem liderar, não se envolver em bobagens e passar uma imagem falsa de masculinidade”, disse. Logo em seguida, o democrata trocou sua foto no Twitter por uma imagem sua de máscara. /WP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.