Relação com EUA não muda sistema de Cuba, diz Raúl Castro

Três homens que cumpriram longas penas de prisão por espionagem nos EUA foram ovacionados no Parlamento de Cuba, enquanto sacudiam os punhos em sinal de vitória, ao mesmo tempo em que o presidente cubano, Raúl Castro, declarava que a aproximação com os EUA não irá mudar o sistema comunista do país.

Estadão Conteúdo

20 de dezembro de 2014 | 18h57

Os últimos membros do grupo de espionagem "Los Cinco", como são conhecidos em Cuba, foram libertados nesta semana, em um acordo que envolvia também a liberação do americano Alan Gross e de um cubano que havia espionado para os EUA a partir de sua cela na prisão em Cuba. O acordo foi visto como um primeiro passo em direção à restauração de relações diplomáticas entre os dois países.

O presidente americano Barack Obama disse que as mudanças devem incentivar a reforma no sistema de partido único de Cuba e na economia centralmente planificada.

Castro, porém, contestou essa ideia em seu discurso na Assembleia Nacional, dizendo que "não devemos esperar que, para que as relações com os Estados Unidos melhorem, Cuba abandone as ideias pelas quais tem lutado". Fonte: Associated Press

Mais conteúdo sobre:
CubaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.