Jim Huylebroek/The New York Times
Jim Huylebroek/The New York Times

Relações entre Rússia e Taleban tem quase uma década, aponta inteligência dos EUA

A recente avaliação de que a Rússia pagou recompensas aos insurgentes para atacar as tropas dos EUA surpreendeu muitos, mas autoridades disseram que aproximação do Kremlin começou há anos

Mujib Mashal e Michael Schwirtz, The New York Times

13 de julho de 2020 | 11h45

CABUL - Durante um dos períodos mais violentos de combate no norte do Afeganistão, quando o Taleban obteve vitórias que não alcançavam desde o início do conflito, o principal comandante americano fez uma declaração pública sobre uma suspeita que incomodava há anos: a Rússia estaria ajudando os insurgentes.

Nos círculos diplomáticos em Cabul na época da acusação, em 2017, houve rumores de que a "assistência" russa incluía óculos de visão noturna e munição perfuradora de blindagem.

Mas o general John W. Nicholson, o comandante, não ofereceu provas definitivas, e isso mostrou como o campo de batalha se tornou confuso quando três adversários de longa data - o Taleban, a Rússia e o Irã - concordaram em seu interesse comum de ver os americanos fora do Afeganistão. No labirinto de corrupção, dinheiro e agentes estrangeiras no Afeganistão, não foi tarefa fácil determinar quem estava fazendo o quê.

"Tivemos armas trazidas para esta sede e entregues a nós pelos líderes afegãos e disseram: 'Isso foi dado pelos russos ao Taleban'", disse o general Nicholson um ano depois. "Sabemos que os russos estão envolvidos."

A recente revelação de uma avaliação da inteligência americana de que a Rússia forneceu recompensas ao Taleban para atacar tropas dos EUA e da coalizão surpreendeu os líderes políticos em Washington e acrescentou uma dose potente de ardil ao estilo da Guerra Fria às deliberações sobre o futuro do Afeganistão. Tanto a Rússia como o Taleban rejeitaram a afirmação.

Mas enquanto isso seria uma notável escalada da interferência russa no Afeganistão, ficou claro para muitas autoridades que a Rússia trabalhava para proteger suas apostas com o Taleban há anos. Os russos viam o governo afegão como inteiramente controlado pelos Estados Unidos e, na pior das hipóteses, tão frágil que lutaria para sobreviver à retirada dos EUA.

Em entrevistas, autoridades afegãs e americanas e diplomatas estrangeiros com anos de experiência em Cabul afirmam que o que começou como um canal diplomático entre a Rússia e o Taleban há menos de uma década floresceu mais recentemente em uma aliança mutuamente benéfica que permitiu ao Kremlin reafirmar sua posição de influência na região.

A mudança coincidiu com a crescente hostilidade entre os Estados Unidos e a Rússia em relação à guerra civil da Síria e outros conflitos, dizem os analistas, bem como à frustração da Rússia com a crescente instabilidade no Afeganistão e o ritmo lento da retirada dos EUA.

Agora, os Estados Unidos estão realizando a retirada das tropas - medida com a qual o Taleban concorda - mesmo sem um acordo final de paz entre os insurgentes e o governo afegão, que os americanos apoiam há anos. Mas os esforços secretos da Rússia, segundo autoridades e analistas, visam provocar e envergonhar os Estados Unidos à medida que as tropas partem, em vez de mudar profundamente o curso do conflito.

“Foi em quantidades modestas; não foi projetado para ser um divisor de águas no campo de batalha”, disse o general Nicholson, agora aposentado das forças armadas, na quinta-feira ao Comitê de Relações Exteriores da Câmara sobre armas russas e ajuda ao Taleban. "Por exemplo, o Taleban queria mísseis terra-ar, os russos não os deram. Por isso, sempre concluí que o apoio deles ao Taleban era calibrado em algum sentido.”

Alguns apontaram os esforços americanos consideravelmente mais extensos para apoiar a insurgência mujahedin contra a União Soviética na década de 1980.

"Fizemos o mesmo", disse Marc Polymeropoulos, ex-agente da CIA e oficial de campo no Afeganistão, que se aposentou no ano passado como chefe de operações interino da agência na Europa e na Eurásia. "Nós aumentamos o calor quando os russos estavam saindo do Afeganistão."

"Putin", ele disse, "é um estudante de história".

Quando as coisas começaram a girar no campo de batalha nos últimos anos, as autoridades descreveram crescentes suspeitas de um papel maior da Rússia em ajudar o Taleban. Mas eles muitas vezes lutavam para definir detalhes, além de influxos ocasionais de novas armas e munições que poderiam ter várias fontes. Além do apoio bem estabelecido do Paquistão ao Taleban, o Irã estava ajudando mais os insurgentes e frequentemente usando canais semelhantes aos dos russos, dizem oficiais de inteligência afegãos.

Os pontos começaram a se conectar com mais clareza durante um crescimento alarmante da violência no norte do Afeganistão, quando o Taleban invadiu duas vezes a cidade de Kunduz, capital da província, em 2015 e 2016.

Enquanto a inteligência afegã se aprofundava sobre o ambicioso comandante regional do Taleban por trás dos ataques, eles conseguiram rastrear suas viagens pela fronteira com o Tajiquistão, uma fortaleza russa de inteligência, de acordo com atuais e ex-altos funcionários de segurança afegãos. Kunduz também é a base das operações de dois empresários afegãos que, segundo autoridades de inteligência americanas, agiram como intermediários no esquema de recompensas entre oficiais de inteligência russos e combatentes do Taleban.

Autoridades dos EUA dizem que confrontaram a Rússia sobre sua ajuda ao Taleban em várias ocasiões, mas suas reivindicações públicas careciam de detalhes, e isso nunca representou um problema importante. Autoridades russas disseram que não receberam provas documentadas.

Três décadas após a retirada militar soviética do Afeganistão, os laços culturais, econômicos e pessoais da Rússia no país permanecem profundos. Quando a Rússia procurou exercer influência - benigna ou não - teve vários amigos para convocar: generais treinados na União Soviética que lideraram as forças afegãs por anos sob pagamento americano; empresários que se gabavam de amizade com o presidente Vladimir Putin, da Rússia; políticos que mantinham casas em Moscou enquanto enriqueciam com os contratos americanos.

Durante grande parte da primeira década da guerra, os Estados Unidos realmente não precisaram se preocupar com o profundo alcance da Rússia na sociedade afegã, pois o governo de Putin estava alinhado com a missão americana de derrotar a Al Qaeda e os grupos islâmicos que Moscou também viu como uma ameaça - incluindo o Taleban.

Laços diplomáticos divulgados pelo WikiLeaks mostram tentativas genuínas de ambos os lados para coordenar esforços no Afeganistão. As autoridades russas falaram de um “punho coletivo” na luta contra o terrorismo e instaram a união “com uma só voz - a voz americana”.

Mas à medida que a guerra no Afeganistão se arrastava, e as duas potências tomavam lados opostos nas crises na Síria e na Ucrânia, os russos viam cada vez mais a missão dos EUA como fracassada e a presença americana na região como uma ameaça.

As autoridades de inteligência americanas agora datam o contato discreto entre Rússia e Taleban, há cerca de oito anos - na época em que Putin, após um hiato de quatro anos como primeiro-ministro, reassumiu a presidência com uma postura mais conflituosa com o Ocidente.

A desconfiança se tornou tão intensas que autoridades russas acusaram os Estados Unidos de ajudarem na ascensão do Estado Islâmico no Afeganistão, por volta de 2015, com muitos de seus primeiros combatentes sendo militantes extremistas da Ásia Central, que desejavam iniciar uma guerra santa contra a Rússia.

Em uma reunião do Conselho de Segurança da Rússia, em 2013, Putin disse que seu país não poderia mais ficar de pé diante das falhas dos Estados Unidos e de seus parceiros.

"Precisamos de uma estratégia de ação clara, que leve em consideração diferentes desenvolvimentos possíveis", disse Putin na reunião. "A tarefa é proteger de forma confiável os interesses da Rússia sob quaisquer circunstâncias."

Liderando o portfólio na frente diplomática estava Zamir Kabulov, um veterano da guerra soviética no Afeganistão e supostamente um ex-agente de inteligência russo.

Kabulov começou a criticar publicamente os Estados Unidos por fraquezas no governo afegão e por não ter conseguido controlar a militância islâmica no país - e cada vez mais descrevendo o Taleban afegão como uma entidade nacional que não representava nenhuma ameaça além das fronteiras do país e poderia ser trabalhada.

Aumentaram os relatórios sobre números do Taleban fazendo viagens à Rússia. E no momento em que os Estados Unidos e o Taleban estavam finalizando os detalhes da retirada americana, a Rússia trouxe os mesmos líderes do grupo para as reuniões de Moscou com um grande número de figuras políticas afegãs para discussões sobre o futuro político do país.

Enquanto os Estados Unidos diminuíam sua presença militar, cada vez mais dependiam de parceiros afegãos para inteligência e contrainteligência. O que as autoridades de segurança afegãs estavam vendo nos últimos anos, particularmente no norte, era uma realidade profundamente confusa.

Na época em que começaram a se concentrar mais nas atividades russas, os afegãos também descobriram um esquema iraniano de distribuição de armas a senhores da guerra e comandantes de milícias. As armas eram russas e a rota era pelo Tajiquistão, disseram autoridades. O esquema iraniano teve vida curta, disse uma importante autoridade afegã, depois que o Irã percebeu que as armas que fornecia estavam aparecendo no mercado negro.

Os russos costumavam usar centenas de milhões de dólares em importações de combustível para as forças da Otan e do Afeganistão como uma maneira de injetar dinheiro no país, garantir influência e manter os grupos de inteligência do seu lado. Uma ex-alta autoridade afegã disse que, em vez de transferências diretas de dinheiro, os russos costumavam providenciar para que os comboios de navios-tanque que invadissem o Afeganistão fossem cobertos com combustível extra que seria retirado para circulação dentro do país.

Embora os países da Ásia Central tenham conquistado sua independência após o colapso da União Soviética, a Rússia nunca abandonou sua posição na região. Num dos artigos, um diplomata russo descreveu as fronteiras de países como o Tajiquistão, onde a Força Aérea Russa ainda possui cerca de 7.000 soldados, como "uma extensão de sua própria fronteira".

Quando os taleban estavam no poder no Afeganistão, nos anos 90, o Tajiquistão era um centro para os comandantes da resistência que receberam ajuda da Rússia e do Irã. Nos 20 anos desde a invasão dos EUA, o país se tornou um centro de tráfico criminoso, uma espécie de playground adulto para muitas das elites afegãs que frequentemente viajam de um lado para o outro no Tajiquistão e geralmente têm família lá.

Nessa mistura de espiões, dinheiro e máfia, os taleban também encontraram um ponto de apoio. Os insurgentes fizeram questão de assumir e manter o controle de algumas das passagens de fronteira da província de Kunduz para o Tajiquistão. Do sul do país até o norte, eles tinham acesso à fronteira para evitar a pressão militar, manter laços com "estrangeiros amigáveis" e manter um canal para o comércio de ópio que financia parcialmente a insurgência.

Várias autoridades afegãs, incluindo Asadullah Omarkhel, que era o governador de Kunduz na época, disseram que compartilharam com a inteligência americana que o mulá Abdul Salam, comandante do Taleban que liderou os ataques a Kunduz, atravessou repetidamente a fronteira com o Tajiquistão, para conversas, pelo que se suspeita, com agentes russos. Um veículo de notícias tadjique relatou reuniões entre autoridades russas e comandantes do Taleban em uma base aérea russa no Tajiquistão no início de 2015. E foram nessas passagens de fronteira que o Taleban costumava trazer armas, dizem as autoridades.

Omarkhel disse que os americanos inicialmente não estavam confiantes sobre as reivindicações dos laços do Taleban com a Rússia, mas começaram a atacar as bases do grupo ao longo da fronteira, incluindo um ataque que matou o mulá Salam.

Na audiência do congresso de quinta-feira, o general Nicholson repetiu sua acusação de que a Rússia havia armado o Taleban, observando que, embora a ajuda não fosse extensa, ela ainda teve efeito. "Na parte norte do Afeganistão, em particular em Kunduz, a assistência russa ajudou o Taleban a infligir mais baixas às forças de segurança afegãs e mais dificuldades ao povo afegão", disse ele./ THE NEW YORK TIMES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.