Relatório da RSF diz que 22 jornalistas já morreram em 2006

A organização Repórteres sem Fronteiras (RSF) divulgou que 16 jornalistas e seis colaboradores de imprensa já foram assassinados por seu trabalho em 2006, enquanto mais de 100estão detidos em várias prisões do mundo.As informações estão contidas no relatório anual da RSF,publicado por ocasião da 16ª Jornada Internacional da Liberdade de Imprensa, que acontece na quarta-feira.A RSF compara estes dados com os 63 jornalistas e 5 colaboradores mortos enquanto exerciam sua profissão em 2005 - os piores números desde 1995, principalmente por causa da insegurança no Iraque.Pelo terceiro ano consecutivo, o Iraque continuou sendo o país onde foram cometidos mais assassinatos de jornalistas (24 e os cinco colaboradores). Até 31 de dezembro de 2005, já eram 76 os profissionais da área mortos desde o início da guerra, em março de 2003.Atrás do Iraque, as Filipinas registraram sete mortes dejornalistas, por ordem de "políticos, homens de negócios outraficantes dispostos a fazer de tudo para silenciar os queinvestigam suas práticas ilegais", segundo a RSF.Nas Américas, dois profissionais morreram em México e Haiti, enquanto Brasil, Colômbia e Equador registraram uma morte.Além das mortes, a RSF contabilizou durante o ano passado que 1.300 profissionais foram ameaçados ou agredidos, e denunciou que "em alguns países como Bangladesh, Filipinas, Nigéria e México a violência faz parte do cotidiano dos jornalistas".Liberdade de ImprensaA lista da RSF de "depredadores da liberdade de imprensa" cresceu em 2005 e agora consta de 37 nomes, entre os quais já não está mais a organização terrorista basca ETA, pelo cessar-fogo permanente declarado.Os incluídos são os líderes dos paramilitares das Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC), Diego Fernando Murillo Bejarano; o porta-voz e "número dois" da guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), Raúl Reyes; o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad; o primeiro-ministro etíope, Meles Zenawi; e os grupos armados tâmeis do Sri Lanka.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.