Brendan Smialowski / AFP
Brendan Smialowski / AFP

Relatório de impeachment acusa Trump de abuso de poder

O relatório, que é uma das etapas do inquérito de impeachment contra Trump e resultado de audiências realizadas ao longo dos últimos dois meses, ainda informa que a 'evidência de má conduta do presidente é esmagadora'

Beatriz Bulla / Correspondente, Washington, O Estado de S.Paulo

03 de dezembro de 2019 | 17h49
Atualizado 04 de dezembro de 2019 | 16h44

A Comissão de Inteligência da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos divulgou na tarde desta terça-feira, 3, o relatório final sobre o processo de impeachment do presidente Donald Trump. O documento compila, em 300 páginas, depoimentos e informações coletadas durante a investigação e acusa Trump de abusar do poder de presidente para solicitar interferência estrangeira nas eleições de 2020. O texto também afirma que o presidente cometeu tentativa de obstrução de Justiça.

 

Deputados do Partido Democrata, de oposição a Trump, lideram a Comissão de Inteligência e, desde que o processo de julgamento político foi aberto, no final de setembro, a legenda vem reunindo informações de que o presidente pressionou o presidente da Ucrânia, Volodmir Zelenski, a conduzir uma investigação que prejudicasse Joe Biden, vice-presidente dos EUA no governo Barack Obama. Biden é hoje um dos principais adversários políticos de Trump na campanha eleitoral do ano que vem

No relatório divulgado ontem, a Comissão de Inteligência indica que Trump “colocou os próprios interesses pessoais e políticos acima dos interesses nacionais dos EUA e desgastou a segurança nacional”. “As provas da má conduta do presidente são esmagadoras, assim como as evidências de sua obstrução ao Congresso”, diz o relatório.

Os depoimentos de diplomatas e funcionários do governo apontam que Trump condicionou a liberação de US$ 391 milhões em assistência militar à Ucrânia à abertura de uma investigação sobre o filho de Biden, Hunter, que trabalhou em uma empresa ucraniana.

Para Entender

Qual a relação de Joe Biden com a Ucrânia no escândalo do impeachment de Trump

Filho do ex-vice presidente dos EUA trabalhou durante anos em empresa ucraniana e Trump o acusa de interferir em investigações para interesse próprio

 A Comissão de Inteligência delega ao Congresso a definição sobre o afastamento ou não do presidente. O relatório será encaminhado para a Comissão de Justiça da Câmara, que hoje iniciará audiências para discutir se os atos do presidente constituem crimes que justifiquem sua remoção do cargo. Trump rejeitou participar de depoimentos no Congresso.

O impeachment é votado em artigos, que definem os crimes que podem ter sido cometidos pelo agente público. A comissão ainda deve elaborar os artigos que serão votados. Para que o afastamento seja aprovado pela Câmara, é necessária uma maioria simples. 

Depois disso, o tema passa a ser discutido no Senado, onde Trump tem maioria e a oposição vê com ceticismo a possibilidade de conseguir os dois terços de votos necessários para remover o presidente. Trump está em Londres, para cúpula da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), e acusou a oposição democrata de agir com motivação eleitoral.


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.