Relatório descreve luta em avião seqüestrado no 11/9

Passageiros a bordo do vôo 93 da United Airlines lutaram com os seqüestradores mas nunca chegaram a entrar na cabine de comando do aparelho, concluiu a comissão que investiga os atentados de 11 de setembro de 2001. O relatório traz um resumo dramático dos eventos a bordo do avião, depois que quatro passageiros informaram, por seus celulares, que planejavam enfrentar os seqüestradores.Com as palavras ?Vamos nessa?, os passageiros correram pelo corredor do avião para tentar subjugar os seqüestradores. Baseando-se no gravador da cabine de comando e em dados do controle de vôo, a comissão afirma que o piloto terrorista Ziad Jarrah fez uma manobra violenta com o avião e ordenou a outro seqüestrador que bloqueasse a porta. Com o som de luta ao fundo, Jarrah pergunta: ?É isso? Devemos acabar com isso?? Outro seqüestrador responde: ?Não. Ainda não. Quando eles chegarem, nós acabamos com isso?.Jarrah então começou a jogar o avião para cima e para baixo, tentando desequilibrar os passageiros que vinham pelo corredor. Segundos depois, um passageiro grita: ?Na cabine! Se não chegarmos, morreremos!? Dezesseis segundos mais tarde, outro grita: ?Vamos nessa!? Jarrah diz ?Alá é grande! Alá é grande!?, e pergunta de novo: ?É isso? Digo, devemos derrubar?? O outro responde: ?Sim, ponha para baixo?. Cerca de 90 segundos depois, o jato virou de costas e caiu na Pensilvânia.O relatório diz que o destino dos terroristas era Washington. O texto elogia a coragem dos passageiros, e diz que a luta a bordo ?salvou a vida de inúmeros outros, e pode ter salvo o Congresso ou a Casa Branca da destruição?.O relatório está sendo vendido a US$ 10 e já está na internet no endereço www.9-11commission.gov

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.