Relatório diz que Kiev usou arma proibida

Investigação da HRW achou indícios de ataques com bombas de fragmentação contra rebeldes

DONTESK, UCRÂNIA, O Estado de S.Paulo

22 de outubro de 2014 | 02h04

Investigações realizadas na cidade de Donetsk mostram que há indícios de que o Exército da Ucrânia tenha utilizado bombas de fragmentação no combate aos rebeldes que tomaram a cidade no leste do país, segundo relatório divulgado na segunda-feira pela organização Human Rights Watch (HRW).

Os locais onde os foguetes caíram na cidade nos dias 2 e 5 mostravam claros sinais de que bombas de fragmentação, proibidas por convenções internacionais sobre armamentos, haviam sido disparadas do território controlado pelo Exército.

Os dois ataques feriram pelo menos seis pessoas e mataram um empregado suíço do Comitê Internacional da Cruz Vermelha.

Se confirmado, o uso de bombas de fragmentação complicaria os esforços para reunificar o país, pois os moradores do leste estão ficando cada vez mais irritados com as táticas do Exército ucraniano para desbancar os rebeldes pró-russos.

O relatório diz, ainda, que os rebeldes muito provavelmente também usaram armas de fragmentação.

O uso pelo Exército de armas de fragmentação, que espalham explosivos menores por uma grande área, também pode aumentar a credibilidade da versão de Moscou sobre o conflito, segundo a qual o governo nacional ucraniano está engajado numa guerra punitiva contra seus próprios cidadãos. Os dois ataques em outubro ocorreram quase um mês depois que o presidente Petro Poroshenko da Ucrânia assinou um acordo de cessar-fogo com representantes rebeldes.

"Está muito claro que armas de fragmentação foram usadas indiscriminadamente em áreas populosas, particularmente nos ataques do começo de outubro na cidade de Donetsk", disse Mark Hiznay, pesquisador de armas na HRW.

"A lógica militar por trás desses ataques não é clara, e eles precisam parar porque colocam em risco muitos civis."

Porta-vozes dos militares ucranianos negaram que suas tropas tenham usado armas de fragmentação durante o conflito e disseram que os ataques com foguetes contra Donetsk no início de outubro devem ser investigados. Disseram também que os rebeldes na área tiveram acesso a sistemas de foguetes poderosos da Rússia capazes de disparar munições de fragmentação.

No entanto, os fragmentos desses explosivos encontrados em Donetsk e arredores e entrevistas com testemunhas indicam que as bombas de fragmentação que explodiram nos dias 2 e 5 disparadas mais provavelmente por tropas ucranianas estacionadas a sudoeste da cidade, segundo a HRW e uma avaliação do New York Times. Testemunhas relataram ter visto lançamentos na direção da cidade da posição dessas tropas em horários que coincidem com os ataques.

A HRW diz em seu relatório que armas de fragmentação foram usadas contra centros populosos na Ucrânia oriental pelo menos 12 vezes, incluindo os ataques a Donetsk, durante o conflito, e possivelmente muitos mais. O relatório afirma que ambos os lados eram provavelmente culpados de ataques que "podem configurar crimes de guerra" num conflito que já matou mais 3,7 mil pessoas. / ANDREW ROTH, NYT

Tudo o que sabemos sobre:
UcrâniaRússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.