Relatório diz que não havia armas, mas isenta Blair

O Iraque não possuía armas químicas ou biológicas antes da guerra, e os serviços britânicos de inteligência confiaram em parte em fontes que não mereciam confiança. Essa é a conclusão do relatório preparado por uma comissão de cinco membros do Parlamento inglês, chefiada por Robin Butler. O relatório critica a maneira como os programas de armas do país foram julgados e avaliados. No entanto, ele absolve o governo do primeiro-ministro Tony Blair e as agências de inteligência de ?distorção deliberada ou negligência culpável?. Robin Butler afirmou que o Iraque "não contava com estoques signficativos - se é que dispunha de algum estoque - de armas químicas e biológicas prontas para uso".O relatório afirma ainda que as informações sobre supostas armas de destruição do Iraque continham "sérias falhas" e não eram "suficientes" para justificar alegações de que o país estava desrespeitando exigências da ONU relativas a armamentos.Butler disse foi um erro omitir do dossiê criado pelo governo britânico advertências sobre a base limitada das informações de inteligência que serviram de fonte para o documento.ProvasSegundo Butler, esse erro deu a impressão de que as provas sobre as supostas armas de destruição em massa do Iraque eram mais completas e consistentes do que elas realmente eram.A despeito das falhas, Butler disse esperar que John Scarlett seja mantido como chefe dos serviços de inteligência britânicos, embora uma das possíveis conclusões para suas investigações pudesse ser a necessidade de substituição de Scarlett.Butler disse ainda que as falhas dos dossiês de inteligência sobre os programas de armas do Iraque foram coletivas, e não resultado de erros individuais.De acordo com o relatório, essas falhas ocorreram nos processos normais dos serviços de inteligência para a comprovação de fontes de informação sobre a situação no Iraque.Ele afirmou que parte desses erros poderia ser atribuída à falta de uma equipe adequada para isso, devido a cortes no orçamento dos serviços de inteligência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.