Relatório do Comitê para Proteção de Jornalistas critica governo Obama

Documento aponta falta de liberdade de imprensa e tentativa de identificar fontes anônimas

Cláudia Trevisan, correspondente em Washington,

10 de outubro de 2013 | 12h28

WASHINGTON - O Comitê para Proteção de Jornalistas (CPJ) publicou nesta quinta-feira, 10, seu primeiro relatório sobre a situação da liberdade de imprensa nos EUA, no qual acusa o governo de Barack Obama de instalar um clima de segredo e terror na tentativa de controlar o fluxo de informação da administração.

Segundo o relatório, jornalistas afirmam que a Casa Branca limita a divulgação de informações. A ofensiva, segundo o CPJ, inclui o uso de detector de mentiras e a quebra de sigilo de e-mails e telefonemas para identificar fontes anônimas de jornalistas.

A diretora do programa S.A.F.E., Oktavía Jónsdóttir, afirmou ao CPJ que os jornalistas americanos que não estão preocupados com o fato de suas comunicações estarem sendo monitoradas deveriam estar, caso contrário, estão colocando em risco suas fontes.

Leia o relatório, em português.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.