Relatório propõe reforma da polícia iraquiana

Comissão sugere expulsão de militantes radicais

AFP, O Estadao de S.Paulo

07 de setembro de 2001 | 00h00

O New York Times divulgou ontem que uma comissão independente de especialistas criada pelo Congresso americano para avaliar as forças de segurança do Iraque vai recomendar a reestruturação da polícia iraquiana. O grupo formado por 14 militares e civis, altos funcionários do governo, defende uma redução dos 26 mil membros do efetivo policial, o expurgo de agentes corruptos, de militantes radicais, e a transformação da corporação em uma força de elite reduzida. "A recomendação é começar tudo de novo", afirmou um funcionário do governo ligado ao grupo e citado pelo jornal. A comissão, presidida pelo general James Jones, ex-comandante das forças americanas na Europa, deverá apresentar oficialmente o resultado das discussões ao Congresso na próxima semana.É o segundo relatório pessimista sobre a guerra no Iraque vazado à imprensa nos últimos três dias. Na quinta-feira, o Washington Post teve acesso à minuta das conclusões de um documento elaborado pelo Congresso que denuncia o fracasso da estratégia americana e afirma que o Iraque alcançou poucas das metas políticas e de segurança estabelecidas por Washington.Entretanto, o documento elaborado pelo grupo liderado pelo general Jones deverá receber uma atenção especial da Casa Branca, já que é considerado como o trabalho de um grupo de especialistas altamente qualificados que se restringe a analisar as falhas da polícia iraquiana.A Casa Branca, que foi informada do conteúdo do relatório, declarou que estudaria as recomendações da comissão. "Nós não desistimos da polícia iraquiana", afirmou Geoff Morrell, porta-voz do secretário de Defesa, Robert Gates. De acordo com especialistas ouvidos pelo New York Times, uma reforma na polícia iraquiana pode causar uma revolta armada semelhante a ocorrida quanto os EUA desmantelaram o Exército do Iraque, em 2003.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.