Jason DeCrow/AP
Jason DeCrow/AP

Relatório revela elo de sauditas com 11/09

O relatório era mantido em sigilo, mas foi tornado público após pressão feita pela família das vítimas

O Estado de S. Paulo

15 Julho 2016 | 17h18

WASHINGTON - O Congresso americano publicou nesta sexta-feira, 15, um documento de 28 páginas de sua investigação sobre o 11 de setembro sobre possíveis conexões entre o governo saudita e o atentado cometido pela Al-Qaedae em 2001. O relatório era mantido em sigilo, mas foi tornado público após pressão feita pela família das vítimas. Segundo a Casa Branca, ele não altera a avaliação de que Riad não se envolveu no ataque. O texto mostra, no entanto, elos suspeitos entre os terroristas e pessoas próximas do governo do país.

O relatório detalha contatos entre terroristas e agentes sauditas no sul da Califórnia. Um militante da Al-Qaeda tinha em sua agenda o telefone da empresa responsável por administrar uma das residências do embaixador saudita nos EUA na época, Bandar bin Sultan. 

O Comitê de Inteligência da Câmara dos Representantes votou a favor de revelar as 28 páginas, que são parte de uma investigação mais ampla do que a feita em 2002 sobre os ataques.

Congressistas democratas e republicanos tinham pedido a publicação do documento, mas o governo do presidente do país, Barack Obama, disse que o faria após revisão. A Casa Branca minimizou a importância do relatório, alegando que a comissão criada pelo Congresso não encontrou evidências concretas de vínculo saudita com o atentado. /NYT e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.