Relatos de crianças entre rebeldes de Darfur preocupam a ONU

O secretário-geral da ONU, BanKi-Moon, disse em um relatório divulgado na terça-feira queestá muito preocupado com os rumores de que um grupo rebelde daregião sudanesa de Darfur estaria usando crianças comosoldados. Em um sombrio relatório sobre a missão de paz conjunta daOrganização das Nações Unidas (ONU) e da União Africana emDarfur, Ban se disse "profundamente desapontado" com a falta deavanços após cinco anos de conflito no oeste do Sudão. Ban afirmou que o ataque-surpresa de maio do MovimentoJustiça e Igualdade (MJI) contra a capital, Cartum, mostrou aincapacidade geral de negociar no Sudão. Esse grupo rebeldenormalmente só age em Darfur, e depois do ataque a Cartum ogoverno disse ter capturado alguns menores guerrilheiros. "Meu gabinete está pressionando pela libertação dascrianças detidas pelo governo durante o ataque, e condeno o usode crianças como soldados em todas as circunstâncias", disseBan. O secretário-geral também demonstrou preocupação com orompimento de relações entre Sudão e Chad depois do ataque demaio. Os dois países se acusam mutuamente de patrocinarrebeldes no território vizinho. O relatório de Ban, datado de 7 de julho, não cita o pedidofeito na segunda-feira pelo procurador-chefe do Tribunal PenalInternacional, Luis Moreno-Ocampo, para que seja emitido ummandato internacional de prisão contra o presidente sudanês,Omar Hassan Al Bashir, por suspeita de crimes contra ahumanidade. A China, que apóia o governo sudanês, manifestoupreocupação no Conselho de Segurança com a possível prisão deBashir, e diplomatas disseram que Pequim pode sugerir umaresolução que suspenderia durante um ano o eventualindiciamento formal do presidente. Caso os juízes do ICC aceitem o indiciamento, a ordem deprisão poderia ser emitida em outubro ou novembro.Moreno-Ocampo diz que as políticas de Bashir provocaram pelomenos 45 mil mortes e 2,5 milhões de refugiados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.