Religiosos da Colômbia são ameaçados de morte

Dez representantes da Igreja Católica na Colômbia receberam ameaças de morte de grupos armados ilegais, informou hoje a polícia. A denúncia foi divulgada nove dias após dois pistoleiros assassinarem a tiros, na cidade de Cali, o arcebispo Isaías Duarte Cancino.Os prelados ameaçados trabalham nos departamentos (estados) de Valle del Cauca, Norte de Santander, Santander, Caquetá, Magdalena, Meta e Antioquia, acrescentou o oficial. Algumas versões indicaram hoje que os arcebispos Jaime Prieto, em Barrancabermeja, e Leonardo Gómez, em Mangangue, assim como sacerdotes de seis municípios colombianos estão entre os ameaçados de morte por grupos ilegais. Em Barrancabermeja, no departamento de Santander, a guerrilha urbana esquerdista entrou em violentos confrontos com os paramilitares pelo controle territorial. O coronel da polícia Jorge Quintero, que foi designado para chefiar o Escritório de Coordenação para a Segurança Eclesiástica, anunciou ter adotado medidas para proteger a vida dos religiosos. O escritório também divulgou que 26 sacerdotes católicos e 39 pastores protestantes foram assassinados na Colômbia desde 1998. Segundo o informe do governo, 11 sacerdotes foram assassinados pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), dois pelo Exército de Libertação Nacional (ELN) e um pelos paramilitares. Outros 12 sacerdotes foram mortos por desconhecidos, supostamente delinqüentes comuns. Para analisar a situação dos religiosos, o coronel Quintero reuniu-se no fim de semana com o presidente da Conferência Episcopal Colombiana, arcebispo Alberto Giraldo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.