Remédios contaminados matam quase 100 no Paquistão

Cerca de 100 pacientes paquistaneses com problemas cardíacos morreram após ingerirem medicamentos contaminados que foram produzidos localmente e outros encontram-se em estado grave no hospital, informaram autoridades nesta quinta-feira.

AE, Agência Estado

26 de janeiro de 2012 | 12h21

"Cerca de 100 pacientes morreram em razão de uma reação aos medicamentos cardíacos", disse Shahbaz Sharif, chefe de governo da província de Punjab, região central do Paquistão.

As vítimas são, em sua maioria, pacientes pobres que receberam remédios gratuitos distribuídos pelo Instituto de Cardiologia do Punjab, informou ele. Segundo o governo, outras 287 pessoas foram levadas a hospitais de Lahore, a segunda maior cidade do Paquistão, após ingerirem os medicamentos.

A polícia prendeu os proprietários de três laboratórios farmacêuticos suspeitos de fornecer os remédios. "A polícia registrou o caso na terça-feira após relatos sobre a morte de pessoas em razão da reação aos remédios para doenças cardiovasculares", disse o porta-voz policial Haroon Rashid.

Investigações iniciais mostraram que os remédios fornecidos por fabricantes locais estavam "abaixo do padrão", disse a polícia.

Os pacientes morreram em razão de uma súbita queda dos glóbulos brancos e plaquetas, além de lesão na medula óssea. O problema foi detectado em dezembro, quando medicamentos contaminados de pelo menos um lote de remédios causou 23 mortes.

Sharif disse que amostras dos medicamentos suspeitos foram enviadas para análise em laboratórios no Paquistão, Londres e Paris. "Tomaremos ações contra os culpados", afirmou ele.

Segundo o funcionário do governo Khwaja Salman Rafiq, a maioria das mortes foi causada por "pelo menos um dos cinco medicamentos prescritos pelo Instituto de Cardiologia do Punjab". Os remédios foram retirados dos hospitais e das lojas, disse ele.

O médico Javed Akram, que participa da investigação, disse de 46 mil pacientes recebem medicamentos do instituto mensalmente. "Tendo em vista esse fato, suspeitamos que o número de pacientes afetados deve subir."

No ano passado a cidade de Lahore, capital do Punjab, enfrentou uma epidemia de dengue que matou mais de 130 pessoas. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.