Kevin Lamarque/Reuters
Kevin Lamarque/Reuters

Renda de casal Obama em 2009 mais que dobrou em relação a 2008

Presidente e primeira-dama americanos acumularam US$ 5,5 milhões em renda bruta no ano passado

Agência Estado

15 de abril de 2010 | 15h51

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e sua esposa, Michelle, tiveram uma renda bruta de US$ 5,5 milhões em 2009, mais que o dobro do ano anterior, 2008, quando foram declarados US$ 2,7 milhões. A maior parte da renda bruta de Obama veio de seu trabalho anterior, como autor de livros best-sellers, segundo o relatório de prestação de contas divulgado nesta quinta-feira, 15, pela Casa Branca.

O governo prestou contas aos fiscos estadual e federal do casal Obama, fornecendo ao público uma rara amostra das finanças da família. O casal pagou US$ 1,8 milhão em imposto de renda federal em 2009. Os valores não deixam dúvidas de que os livros de Obama - a autobiografia "A origem dos meus sonhos", de 1995, e "A audácia da esperança", de 1996 - foram grandes sucessos comerciais.

A renda da família no ano passado não inclui o US$ 1,4 milhão recebido por Obama pelo Prêmio Nobel da Paz. Isso porque o presidente dos EUA pediu ao Comitê do Nobel que doasse o dinheiro diretamente para a caridade. Ele não pôde obter uma dedução sobre o valor do prêmio, pois o dinheiro não foi incluído em sua renda. A família doou US$ 329 mil para 40 diferentes instituições de caridade. Desse valor, US$ 50 mil foram para a CARE, uma organização que combate a pobreza pelo mundo, e também para o United Negro College Fund.

 

Vice-presidente

A Casa Branca também divulgou a prestação ao fisco do vice-presidente, Joe Biden, e de sua mulher, Jill, que ganharam bem menos que o casal presidencial. A família Biden informou que teve renda total de US$ 333 mil no ano passado. Eles pagaram US$ 71 mil em impostos federais e outros US$ 12 mil em impostos em Delaware. O casal Biden contribuiu com US$ 4.820 para a caridade. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.