Renúncia de juiz do caso Saddam gera notícias contraditórias

A suposta renúncia do juiz curdo Rizgar Mohammed Amin, chefe do Tribunal Especial iraquiano que julga o ex-presidente Saddam Hussein, tornou-se hoje uma incógnita ao ser divulgada por diversos meios e desmentida por outros.Fontes judiciais iraquianas, citadas por vários meios de comunicação árabes, afirmaram que Amin apresentou sua renúncia devido a "pressões políticas" e em protesto contra as críticas de figuras xiitas no Governo a sua atuação durante o julgamento.A televisão local Al Iraquiya, que cita uma fonte do Ministério da Justiça, assinalou, no entanto, que Amin "continua em seu cargo".O Governo iraquiano, controlado pelos xiitas, não comentou até agora os rumores sobre a renúncia do presidente do Tribunal Especial, que deve retomar o julgamento contra Saddam e sete de seus colaboradores no dia 24 de janeiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.