Renuncia o vice-ministro italiano que ofendeu alemães

O vice-ministro italiano da Indústria, Stefano Stefani, que reacendeu uma crise diplomática entre a Itália e a Alemanha no início da semana, renunciou ao cargo. O primeiro-ministro italiano - que acaba de pedir desculpas ao Parlamento Europeu por ter comparado, na semana passada, um deputado alemão a um chefe de campo de concentração nazista - aceitou, segundo a agência de notícias Ansa. Stefani, responsável pelo setor de turismo do ministério, classificara os alemães, em entrevista a um diário italiano, de "loiros ultranacionalistas, arrogantes, barulhentos e ultrajantes que invadem praias italianas e chamam os italianos de mafiosos". A declaração causou indignação na Alemanha, levando o chanceler alemão, Gerhard Schroeder, a cancelar as férias que programara para a Itália. Na Itália, a demissão do vice-ministro havia sido pedida pela manhã por Gianfranco Fini, líder da ultradireitista Aliança Nacional, que integra a coalisão governamental. "Um cretino é um cretino", disse Fini. E acrescentou: "A polêmica não deve ser usada por ninguém - nem pelos italianos contra os alemães, nem pelos alemães contra os italianos. Creio que ele deve deixar o cargo já."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.