Renúncia põe governo britânico sob nova pressão

Apesar de ser amplamente prevista, a renúncia do deputado Robin Cook do cargo de líder da Câmara dos Comuns (posto equivalente ao de ministro), serve para realimentar a pressão sobre o primeiro-ministro Tony Blair, que havia cedido um pouco nas últimas 48 horas.Cook, ex-ministro das Relações Exteriores durante os primeiros anos do governo Blair, já havia deixado claro que renunciaria ao cargo se o governo decidisse atacar o Iraque mesmo sem a aprovação de uma segunda resolução no Conselho de Segurança (CS) da Organização das Nações Unidas (ONU).A saída de Cook representa o ápice de um profundo quadro de divisão do partido de Blair, o Trabalhista, e também na sociedade britânica, em relação à posição assumida contra o Iraque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.