Repórter brasileiro preso na Líbia é libertado

Segundo 'O Estado de S.Paulo', Andrei Netto está bem e deve deixar o país na sexta-feira.

BBC Brasil, BBC

10 de março de 2011 | 16h06

Segundo o jornal, Netto está na casa do embaixador brasileiro em Trípoli

O jornal O Estado de S. Paulo anunciou que o repórter Andrei Netto, enviado pelo veículo à Líbia e desaparecido desde o domingo, foi libertado nesta quinta-feira.

Segundo o jornal, Netto passa bem e deve deixar a Líbia na sexta-feira.

A publicação disse que ele ficou preso por oito dias na cidade de Sabrata, a cerca de 60 km a oeste da capital, Trípoli, após ter sido capturado por forças de segurança do governo líbio.

Vinicius Netto, irmão do jornalista, disse à BBC Brasil que Netto se encontra na casa do embaixador do Brasil em Trípoli, George Ney Fernandes.

Vinicius também afirmou que o repórter está bem de saúde, embora tenha recebido uma coronhada nos primeiros dias em que esteve detido.

Enquanto permaneceu preso, o jornalista ficou sem contato com o exterior. No domingo, diz o jornal, a prisão em que ele estava foi alvo de ataques.

Para que Netto fosse solto, o jornal afirma ter contatado o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICR), a ONU, a ONG Repórteres Sem Fronteiras (RSF) e o governo brasileiro, entre outros órgãos.

'Providências urgentes'

Nesta quinta-feira, a presidente Dilma Rousseff havia determinado ao ministro interino de Relações Exteriores, Ruy Nogueira, "providências urgentes" para garantir a "integridade física e a libertação" de Netto.

Segundo nota oficial do Planalto, Dilma estava "acompanhando com atenção a situação do jornalista".

De acordo com o senador Eduardo Suplicy (PT-SP), o embaixador da Líbia no Brasil, Salem Omar Abdullah Al-Zubaidi, disse que Andrei Netto foi preso por ter entrado na Líbia sem visto.

O senador disse ainda que, segundo Al-Zubaidi, Netto estava acompanhado, no dia de sua prisão, do jornalista Ghaith Abdul-Ahad, do diário inglês The Guardian, que permanece desaparecido.

A publicação inglesa afirma que Abdul-Ahad fez seu último contato no último domingo, por meio de uma terceira pessoa, e que "esforços urgentes" estão sendo tomados para confirmar o seu paradeiro.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.