Repórter italiano seqüestrado pelo Taleban faz gravação

Um jornalista italiano seqüestrado no Afeganistão há dez dias fez um apelo para que as autoridades cumpram as exigências de seus captores e advertiu que, se isso não acontecer, ele será executado em dois dias, disse nesta quinta-feira, 15, um agência de notícias afegã. "Depois disso eles vão nos matar", afirmou em inglês a voz, que seria de Daniele Mastrogiacomo, numa gravação em CD publicada pela agência Pajhwok. "Só há dois dias. Por favor. Por favor." Não havia como confirmar imediatamente a identidade da voz na gravação, de qualidade muito ruim, e a agência não quis dizer como a obteve. Também não estava claro quando ela foi feita. O Taleban alega que Mastrogiacomo confessou ter feito espionagem para soldados britânicos. O jornal em que ele trabalha, o La Repubblica, negou que ele seja espião e disse que o afegão escreve para lá desde 1980. A agência Pajhwok é privada e conta com uma grande rede de repórteres no Afeganistão. Suas reportagens costumam ser confiáveis. Na Itália, o irmão de Mastrogiacomo, Alessandro, disse não ter certeza sobre a veracidade da gravação. "O áudio está muito ruim. Pode ser ele, não tenho certeza absoluta."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.