Repórteres acusam Israel de violar liberdade de imprensa

Uma organização internacional de jornalistas acusou Israel de violar a liberdade de imprensa, incluindo o uso brutal de força contra repórteres, detenções arbitrárias e uma atitude racista com relação à mídia árabe. Dan Seaman, diretor da secretaria de comunicação do governo de Israel, recusou-se a responder as alegações feitas pelo respeitado grupo Repórteres Sem Fronteira (RSF), limitando-se apenas em acusá-lo de anti-israelense.A ofensiva militar de Israel nas cidades palestinas da Cisjordânia deixou um "saldo repugnante de ataques contra a liberdade de imprensa", afirmou a organização em um comunicado emitido hoje em sua sede de Paris.O RSF afirma que sete jornalistas foram feridos a bala e 15 outros detidos desde que Israel iniciou sua ofensiva contra os territórios palestinos ocupados em 29 de março. De acordo com o comunicado, outros 60 jornalistas foram alvos de armas, 20 sofreram abusos ou ameaças e 20 mais tiveram seus passaportes, carteiras de jornalistas ou equipamentos confiscados pelos israelenses.Além disso, segundo o RSF, os escritórios de 10 empresas jornalísticas árabes foram ocupados ou danificados, e um jornalista foi deportado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.