Repórteres feridos no Oriente Médio culpam força israelense

Adventos de controle de multidões, como bombas de efeito moral e gás lacrimejante, feriram alguns jornalistas nas últimas semanas, incluindo dois que cobriam um protesto feminino nesta quinta-feira. Os repórteres acusam forças israelenses de terem sido os autores dos ataques.Nos últimos três meses, ao menos cinco jornalistas foram feridos enquanto cobriam protestos ou operações militares israelenses. Em um incidente, um fotógrafo da agência de notícias Associated Press teve a perna quebrada após ser alvo de uma granada de efeito moral. Segundo o repórter, a granada foi arremessada enquanto falava com soldados.O exército nega qualquer eventualidade com jornalistas, e diz que vai investigar os incidentes.Os militares "não machucam jornalistas intencionalmente, e qualquer dessas alegações não tem embasamento nenhum", de acordo com um pronunciamento militar, acrescentando que há "riscos inerentes a jornalistas" cobrindo operações de combate.Os danos foram causados por meios não-letais que os israelenses usam para deter manifestações e rebeliões. Entretanto, bombas de efeito moral, que fazem muito barulho, podem causar sérios ferimentos quando seus estilhaços espirram para os lados. Gás lacrimejante pode ser perigoso se liberado em altas quantidades.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.